Europa já fala em rediscutir prazos do pacote à Grécia

Novas medidas de austeridade, com cortes de até 11 bilhões, serão necessárias caso a União Europeia não aceite renegociar

ANDREI NETTO , ENVIADO ESPECIAL / ATENAS, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2012 | 03h03

Caso a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI) não aceitem renegociar os prazos e objetivos firmados no último programa de socorro, assinado em fevereiro, o governo de Antonis Samaras deve ser obrigado a cortar mais € 11 bilhões em gastos públicos ou aumentar mais uma vez os impostos até outubro.

A previsão, não oficial, é admitida nos bastidores por deputados dos partidos que devem participar do governo de coalizão. Só há uma alternativa para evitar o novo plano de rigor: que Bruxelas e sobretudo Berlim aceitem postergar metas estabelecidas há quatro meses - hipótese que já foi evocada na noite de ontem.

A dura realidade econômica da Grécia já baterá à porta de Antonis Samaras nesta semana. Seu governo precisará desbloquear € 1 bilhão da última parcela de € 5 bilhões do plano de socorro que não foi repassado pela União Europeia no mês passado, como uma advertência pelo impasse político criado nas eleições de 6 de maio. A seguir, será preciso passar a aplicar os termos do contrato que resultou na liberação de € 130 bilhões por Bruxelas e pelo FMI. A segunda injeção de liquidez aguarda sem aplicação efetiva desde o mês de fevereiro.

Renegociação. Ao longo de sua campanha, Samaras prometeu renegociar os termos desse acordo para incorporar medidas de estímulo à economia, uma forma de romper com a depressão que já fará o Produto Interno Bruto (PIB) do país recuar 20% até o fim de 2012. Ontem, em seu discurso da vitória, o futuro primeiro-ministro pediu que o estímulo ao crescimento se some à austeridade: "Este governo de salvação nacional deve trazer desenvolvimento para a economia grega e assegurar que os gregos estarão do nosso lado".

De acordo com o presidente de honra do Banco Europeu de Investimentos (BEI), o grego Panayotis Genimatas, a União Europeia já tem conhecimento de que precisará negociar porque os prazos e metas do acordo de fevereiro já estão defasados. "Há objetivos a alongar, a adiar ou a cancelar. Os meios também serão revistos", antecipou ao Estado na sexta-feira.

No sábado, a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, descartou a renegociação, em uma tentativa de pressionar os gregos a não elegerem Alexis Tsipras, o candidato contra a austeridade.

Ontem à noite, logo após a vitória da Nova Democracia, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Guido Westerwelle, se recusou a usar o termo "renegociação", mas admitiu que a União Europeia tende a aceitar a alteração de cláusulas do segundo plano de socorro. "Não podem ocorrer mudanças importantes nesse acordo, mas eu posso imaginar que rediscutamos as datas". Westerwelle ressaltou, entretanto, que o país terá de fazer reformas estruturais de qualquer forma. "A Grécia deve se ater ao que foi acertado. Não há saída fora as reformas."

À noite, o ministro das Relações Exteriores da Bélgica, Didier Reynders, também reconheceu que Bruxelas poderá rediscutir os prazos e objetivos do plano, como forma de flexibilizar as medidas de austeridade.

A flexibilização da política de rigor deve atender ao clamor popular que cresce na Grécia. Em dois anos, a coalizão radical de esquerda Syriza, que promete romper com os pactos de resgate e suspender o pagamento das dívidas, cresceu de menos de 5% a 26,7%, tornando-se a segunda força política do país. A diferença entre Samaras e seu principal adversário, Alexis Tsipras, era no final da noite de ontem de pouco mais de 170 mil votos, entre 9,8 milhões de eleitores.

Na prática, Bruxelas e Berlim parecem ter entendido o recado das urnas gregas: se o arrocho continuar e o crescimento não voltar ao país, as futuras eleições devem colocar no governo em Atenas um político antiausteridade. Ontem, Tsipras reforçou essa mensagem, alertando para que Samaras não apresente novos cortes e já se colocando como o novo líder incontestável da oposição: "Vamos fazer uma oposição em benefício do povo grego. Em nenhuma hipótese vamos apoiar as medidas de austeridade. Elas não podem ir além".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.