Europa registra a maior inflação no atacado desde 1990

Impulsionada pelos custos de energia, alta dos preços reforça as apostas de aumento de juros pelo BCE

Nathália Ferreira, da Agência Estado,

02 de julho de 2008 | 07h50

O índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) na zona do euro registrou em maio a maior alta anual dos últimos 18 anos, elevando as razões para as apostas de aumento do juro básico pelo Banco Central Europeu (BCE) nesta quinta-feira. O PPI, que é a inflação no atacado, avançou para 7,1% ante maio de 2007 e para 1,2% ante abril, segundo dados da Eurostat, bem acima das expectativas de alta de 6,6% e 0,8%, respectivamente.   Veja também: Preço do petróleo em alta Entenda a crise dos alimentos  Entenda os efeitos da crise nos Estados Unidos  A alta do PPI em maio na comparação anual foi a maior desde o início dos registros, em janeiro de 1990. Já o aumento em termos mensais se compara ao ganho de 1,2% em janeiro de 2006. Segundo a Dow Jones, boa parte da elevação dos preços foi impulsionada pelos custos de energia, que subiram 4,1% em maio ante abril e 18,2% frente a maio de 2007.    O presidente do BCE, Jean-Claude Trichet, afirmou nesta quarta-feira que existe um risco de que a inflação possa "explodir" se o Banco Central Europeu (BCE) não agir definitivamente para contê-la.   "Se nós não formos determinados, existe um risco de que a inflação vá explodir. Se nós agirmos decisivamente, poderemos dominar a situação", disse Trichet ao jornal alemão Die Zeit, segundo uma cópia antecipada de um artigo a ser publicado na quinta-feira.   As preocupações com uma recessão na Europa aumentaram na última terça-feira, depois que a Dinamarca se tornou o primeiro país a entrar em uma recessão técnica. Segundo analistas, as economias européias enfrentam atualmente uma combinação tóxica de pressões inflacionárias elevadas, preços de petróleo mais altos, fortes taxas de câmbio, enfraquecimento do crescimento global e condições de crédito apertadas.    Economistas acreditam que Itália, Espanha, Portugal e Irlanda são os que correm mais risco de recessão, enquanto Reino Unido e França enfrentam fortes desacelerações.         A inflação também tem preocupado os países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que reúne as 30 nações mais industralizadas do mundo. O bloco registrou, em maio, o índice anual mais alto desde junho de 2001. Segundo a BBC, os preços ao consumidor nesses países registraram uma alta anual de 3,9% em maio, comparado com um índice de 3,5% em abril.   A escalada dos preços dos combustíveis e dos alimentos contribuiu para o aumento. Os preços dos combustíveis registraram em maio uma alta de 14,6%, comparado com 12,4% em abril, e os dos alimentos, 6,1% e maio e 5,7% em abril.   Nos Estados Unidos, o Índice de Preços ao Consumidor subiu 4,2% em maio, comparado com 3,9% em abril. Já no Japão, os preços ao consumidor subiram 1,3% em maio e 0,8% em abril. BBC Brasil - Todos os direitos reservados.   (com Reuters e BBC Brasil)

Mais conteúdo sobre:
EuropaBCEinflação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.