Europa sobe estimulada por commodities e dados da China

Investidores consideram positivo o aumento de 19,2% na produção industrial chinesa em novembro

Cynthia Decloedt, Agência Estado

11 de dezembro de 2009 | 09h41

As ações movem-se confortavelmente no território positivo durante a manhã na Europa, onde investidores orientam-se pelo comportamento positivo na Ásia e nos Estados Unidos no pregão desta quinta-feira, 10, enquanto os dados positivos da China impulsionaram o dólar e o euro contra o iene, assim como os metais. Nesse sentido, as ações do setor de matérias-primas estão entre os destaques de alta.

 

Da vasta série de indicadores divulgados na China nesta sexta-feira, 11, os investidores empolgaram-se com o aumento de 19,2% na produção industrial em novembro, em base anual, e com a primeira elevação em 10 meses do índice de preços ao consumidor, em 0,6%.

 

Mas, apesar dos ganhos, comentaristas do mercado continuam cautelosos em relação à sustentação dos ganhos até o final do ano. O economista do Altium Securities, Ian Williams, considerou positiva a recuperação do mercado após três dias de perdas nesta semana, mas afirmou: "movimentos de compra nas mínimas sugerem que ficar muito animado não é a melhor opção".

 

De fato, investidores recolhiam na Europa papéis que mais caíram nos setores bancário, financeiro e de matérias primas, sendo que este último era sustentado também pela pequena alta do ouro. Entretanto, analistas advertiram que se o dólar continuar subindo, os metais podem ceder. O setor de seguros também chama a atenção dos participantes europeus, diante de nota positiva sobre o setor do Deutsche Bank.

 

Câmbio

 

No mercado de moedas, os indicadores chineses proporcionaram apetite ao risco e a sensação de que a recuperação global está a caminho. Agora, os investidores se voltam aos números norte-americanos de vendas no varejo e de sentimento do consumidor da Universidade de Michigan.

 

Às 9h40 no horário de Brasília, Londres operava em alta de 0,91%; Frankfurt ganhava 1,14% e Paris avançava 0,60%. Euro operava em alta de 0,24% para US$ 1,476. O cobre para março registrava valorização de 1,19% para US$ 3,1400 por libra peso e o petróleo WTI avançava 0,85% para US$ 71,15 por barril.

 

Traders apontavam ainda para as declarações da primeira-ministra da Alemanha, Angela Merkel, de apoio à Grécia para ilustrar a retomada do apetite por risco entre os investidores de moedas. Merkel sinalizou ontem que outros países da zona do euro poderiam ajudar a Grécia, embora outras autoridades europeias tenham registrado posição contrária. Analistas, entretanto, questionam se uma ajuda da zona do euro à Atenas seria positiva, podendo criar um precedente para que outras nações ultrapassem os limites de déficit estabelecidos entre os países membros, prevendo que serão resgatados adiante. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.