Europeus rejeitam apresentar nova oferta agrícola na OMC

O atual presidente do Conselho de Agricultura da União Européia, o austríaco Joseph Proll, rejeitou nesta segunda-feira a apresentação de uma nova oferta agrícola e pediu a outros membros, como os Estados Unidos, que cedam a fim de avançar nas negociações dentro da Organização Mundial do Comércio (OMC).Proll manifestou, em entrevista coletiva, que a UE "não é culpada" pela falta de avanços nas discussões da OMC, dentro da Rodada de Doha e que já se movimentou o suficiente, por isso outros países devem fazer concessões em todas as partes da negociação (agricultura, bens industriais e serviços).A apresentação de uma nova proposta agrícola agora seria "um erro" e afetaria a "credibilidade política da UE", afirmou Proll, durante a reunião informal de ministros de Agricultura dos 25, que começa nesta segunda.Disposição Recentemente, o comissário europeu de Comércio, Peter Mandelson, manifestou que a UE estaria disposta a aumentar suas concessões agrícolas se os outros membros fizerem propostas que interessem.Em reação a estas declarações, Proll destacou que a UE deve "falar com uma só voz" e que a posição do Conselho de Ministros de Agricultura é a de "não fazer uma nova oferta".Além disso, disse que dentro da chamada Rodada de Doha da OMC, lançada em 2001 para aprofundar a liberalização do comércio mundial, a proteção das denominações de origem continua sendo uma reivindicação da UE, porque também é uma questão de credibilidade para seus agricultores.Oferta A última oferta agrícola apresentada oficialmente pela UE dentro da OMC coloca uma redução média de 46% nas tarifas aos produtos agrícolas e um corte de 70% das ajudas internas que distorcem o comércio.Além disso, Proll lembrou "o compromisso" alcançado na reunião ministerial da OMC realizada no mês de dezembro em Hong Kong, na qual os países desenvolvidos acertaram pôr fim em 2013 às subvenções que concedem à exportação de seus produtos agrícolas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.