Eurozona deixa para julho aprovação de próximo desembolso de ajuda à Grécia

'Foi impossível decidir hoje', disse o ministro de Finanças belga, Didier Reynders, após reunião de 7 horas

Agências internacionais

19 de junho de 2011 | 20h26

Os ministros de Finanças da zona do euro encerraram a reunião deste domingo, 19, sem um acordo para desbloquear mais uma parte do financiamento de 110 bilhões de euros oferecido à Grécia no ano passado, segundo confirmou a ministra de Economia e Finanças espanhola, Elena Salgado. "Foi impossível decidir hoje sobre o desembolso", disse o ministro de Finanças belga, Didier Reynders, em declarações à imprensa depois que o grupo concluiu a reunião após 7 horas de negociações.

Os ministros disseram, contudo, que vão buscar um acordo informal e voluntário com os credores da Grécia - como bancos, fundos de pensão e seguradoras - para adiar o pagamento das dívidas, de forma a evitar a declaração de calote, segundo informações da BBC.

Os países envolvidos no empréstimo estão preocupados com a possibilidade de o governo grego não cumprir as metas de ajuste fiscal, mas também não querem permitir que a Grécia fique sem dinheiro para pagar suas dívidas, pois isso seria prejudicial a outras nações da zona do euro.

Em Atenas, o primeiro-ministro grego, George Papandreou, disse que a Grécia estava negociando a possibilidade de os países europeus e o Fundo Monetário Internacional (FMI) bancarem um segundo empréstimo, de aproximadamente 100 bilhões de euros, ao governo grego. Ele também pediu ao parlamento da Grécia para que aprove seu gabinete durante um voto de confiança agendado para a próxima terça-feira. "Dessa forma, com uma voz forte, poderemos negociar um novo acordo", acrescentou.

Texto atualizado às 22h33

(Com Efe, Agência Estado, BBC e Dow Jones)

Tudo o que sabemos sobre:
ajudaGréciadívida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.