Even vai dar prioridade a projetos menores

Para atingir meta de lançamentos e acelerar vendas, construtora aposta em projetos com processo de aprovação mais rápido nos órgãos públicos

CIRCE BONATELLI, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2012 | 03h35

A Even Construtora e Incorporadora passou a priorizar o lançamento de projetos imobiliários de menor porte, cujo processo de aprovação nos órgãos públicos é mais rápido. O ajuste nos rumos dos negócios deverá ajudar a companhia a atingir sua meta de lançamentos em 2012 e acelerar a velocidade de vendas.

A projeção de lançamentos da Even este ano é de R$ 2,5 bilhões em valor geral de vendas (VGV). No entanto, até o fim do primeiro semestre, a companhia havia cumprido apenas 28% da meta, afetada por demoras para obtenção de licenças.

"Temos uma série de produtos para lançar e sentimos que há demanda", disse Dany Muszkat, diretor financeiro e de relações com investidores da construtora. "O que vai ditar (os lançamentos) é o ritmo das aprovações, que já está se normalizando."

Para atingir o resultado esperado, a incorporadora planeja lançar no mercado cerca de 20 novos projetos neste semestre, sendo a maioria depois de outubro. O VGV médio dos empreendimentos é estimado em R$ 80 milhões, com foco no lançamento de prédios menores, com cerca de 100 apartamentos. No último trimestre, os projetos apresentaram, em média, 171 unidades.

Menos é mais. Essa estratégia foi adotada porque, quanto menor o prédio e seu número de moradores e veículos, menor a quantidade de exigências do poder público para aprovação do projeto, como obras viárias e compensações ambientais, facilitando o licenciamento, disse Muszkat.

O executivo acredita também que os empreendimentos mais enxutos deverão apresentar uma velocidade de vendas relativamente maior, já que terão menos unidades para ser vendidas.

Outro fator está no preço das unidades. "O cliente está mais seletivo. E quanto maior o tíquete (valor) da unidade, mais ele demora para fechar o negócio", afirmou, ponderando que acredita na continuidade de uma demanda firme nas regiões metropolitanas onde a incorporadora atua - São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre.

"Os centros urbanos estão crescendo e a demanda vai continuar. Se as empresas fizerem lançamentos de forma prudente, vão encontrar mercado", disse, referindo-se ao planejamento cuidadoso do orçamento e da adequação dos imóveis aos seus potenciais compradores.

Já em relação aos prédios comerciais, que representaram cerca de 15% dos lançamentos da Even no primeiro semestre, Muszkat afirmou que não há previsão sobre a participação desses projetos no total dos lançamentos futuros. Segundo ele, os prédios comerciais não são prioridade, e a companhia só atua no setor quando aparecem "oportunidades vantajosas", com terrenos bem localizados e propícios a esse tipo de empreendimento.

A Even encerrou a primeira metade de 2012 com um banco de terrenos de R$ 6,3 bilhões em VGV potencial de lançamentos. A companhia reduziu pelo quinto trimestre consecutivo as novas aquisições de terrenos, e afirmou também que pretende manter o ritmo de novas aquisições no mesmo do volume de lançamentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.