Evento da McKinsey debate criação de novos negócios
Conteúdo Patrocinado

Evento da McKinsey debate criação de novos negócios

Tradição ou anos de história não serão suficientes para geração de valor sem as transformações necessárias

McKinsey, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

22 de novembro de 2021 | 08h00

O mundo nunca mudou tão rapidamente – e a velocidade das transformações será cada vez maior daqui para a frente. A diferença entre o que estamos vivendo em 2021 e o que vivíamos há dez anos é gigantesca. Basta dizer que, há 10 anos, comprar algo de forma digital e poder receber ou retirar em menos de um dia, como ocorre na Magalu, era algo totalmente impensável.

Lembrar como a vida era tão diferente há tão pouco tempo ajuda a projetar o impacto das intensas inovações que experimentaremos ao longo da próxima década. Para ficar apenas nesse mesmo campo do varejo: a Magalu, agora, lançou a entrega de 1h e se prepara para um mundo onde todos estarão digitalizados. “O futuro é on”, como diz Frederico Trajano, CEO do grupo.

Em meio a esse cenário tão efervescente, a tradição de uma marca conhecida ou de uma empresa com décadas de atividade valerá pouco sem as transformações necessárias. O mercado que teremos dentro de dez anos será completamente diferente do mercado atual. Quem não acompanhar esse movimento está condenado a ficar para trás.

Caminho obrigatório

Não por acaso, o tempo médio de existência das companhias que compõem o Standard & Poor’s 500, índice que reúne as ações de 500 empresas consideradas promissoras pelo mercado, caiu drasticamente nas últimas seis décadas: de 61 anos para apenas 22 anos. O Google, maior símbolo desse processo fulminante de renovação, acaba de completar 23 anos de vida e já está entre as empresas mais valiosas do mundo.

O caminho obrigatório para todas as corporações, sejam as mais jovens ou as centenárias, é desenvolver novos negócios, produtos e serviços. Atenta a essas circunstâncias, a McKinsey definiu o tema “Construindo novos negócios” para o seu Fórum anual, realizado no dia 19 de novembro, sexta-feira passada. A programação, híbrida, teve parte dos palestrantes e do público presente no Hotel Unique, em São Paulo, e outra parte acompanhando as discussões de forma remota.

O Fórum McKinsey 2021 proporcionou um mosaico rico de visões. Ainda que as experiências e as trajetórias dos palestrantes, painelistas e debatedores sejam muito diversas, houve dois pontos de convergência: a percepção de que o desafio de desenvolver novos negócios está colocado diante de todos os gestores, independentemente do setor e do porte da empresa, e a convicção de que a década que está começando será repleta de oportunidades para quem mergulhar nesse desafio.

Programação intensa reúne diversos setores

O Fórum McKinsey 2021 foi aberto por dois sócios seniores da consultoria, Heitor Martins e Reinaldo Fiorini, que fizeram uma explanação panorâmica sobre o tema “Construindo novos negócios – contexto, oportunidades e desafios”.

A programação seguiu com quatro plenárias e doze fóruns com a presença de empresários e empreendedores de grande destaque: Frederico Trajano, do Magazine Luiza (“O céu é o limite – de rede local a maior ecossistema do varejo brasileiro”), Christian Gebara, da Telefônica Brasil (“Na velocidade da luz – acelerando um gigante”) e Martin Escobari, da General Atlantic, investidora que fornece capital e suporte estratégico para a expansão global de corporações (“América Latina – selecionando e apoiando vencedores”).

Uma das mesas mais focadas em tecnologias de ponta aplicadas à indústria foi “Vantagens competitivas– alavancando fortalezas para criar negócios imbatíveis”. Leonardo Bastos, da Bayer, Immo Paul, da Shape, provedora de serviços digitais para indústrias, e Francisco Prisco, da Z-Tech, hub de tecnologia e inovação do grupo Anheuser-Busch InBev, falaram das novas fronteiras estabelecidas pela inovação em seus setores.

O evento teve também sessões de breakout entre as palestras. Esses debates reuniram mais de 20 convidados, entre representantes da McKinsey e de organizações como Itaú, Raia Drogasil, Softbank, Positivo, iFood, Gympass e Zé Delivery. O encerramento ficou a cargo de Tracy Francis, sócia sênior do escritório da McKinsey em São Paulo, recentemente nomeada líder global de Branding, Comunicação e Marketing da firma de consultoria. Ela fez uma breve recapitulação dos aprendizados do dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.