Everado defende simplificação do IPI

O secretário da Receita Federal, Everardo Maciel, disse há pouco que deverá elaborar um projeto de lei com modificações na forma de cobrança de impostos do setor automotivo. "Há consenso entre as partes, o que torna a modificação mais fácil, mesmo que seja aplicada no longo prazo. A simplificação de impostos traz vantagens para a indústria e contribuiu para reduzir a sonegação", disse Maciel, explicando que a mudança pode levar até dois anos para ser implementada. A proposta foi levada à Receita pelo presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), José Carlos Pinheiro Neto, no início deste mês. O primeiro ponto de modificação seria a cobrança monofásica das contribuições PIS/Cofins. Essas contribuições, com uma alíquota maior, seriam recolhidas pela própria montadora, e não mais pelos integrantes da cadeia produtiva. Outra questão em análise é a unificação da alíquota do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para automóveis, que atualmente é de 10% para veículos até 1.000 cilindradas e de 25% para o restante dos veículos. A Anfavea também pediu para que a Receita crie um sistema específico para o setor, para operações de importação e exportação de veículos com o objetivo de simplificar os procedimentos comerciais do setor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.