Evite o pré-datado nas compras de fim de ano

No final do ano, o consumidor muitas vezes se sente compelido a gastar mais do que pode. As festas de Natal e Ano Novo, presentes e viagens são tentadoras. Mas é importante não se entusiasmar demais, pois os juros no Brasil são altíssimos, e as contas chegam no início do ano somadas a uma série de despesas adicionais. Dentre as formas preferidas por compradores e comerciantes, destaca-se o cheque pré-datado, com o qual deve se ter cuidados adicionais.Como o uso do pré-datado é uma maneira informal de concessão de crédito, existem alguns riscos. O vendedor pode não honrar o acordo e depositar o cheque antes do prazo, não há nenhum instrumento formal que o impeça de fazê-lo. Em muitos casos, o comerciante repassa o cheque a terceiros como forma de pagamento, antecipando o recebimento do seu dinheiro com um desconto. O receptador acaba não respeitando o prazo e deposita o cheque.Nessas circunstâncias, o consumidor pode acabar descobrindo um cheque sem fundos na conta bancária quando já for tarde demais, ou seja, quando ele já foi reapresentado duas vezes e o seu nome foi incluído nas listas de inadimplentes. Quando isso acontece, o único jeito de limpar o nome na praça é reaver o cheque e quitar a dívida. Mas, se não puder localizar a pessoa que o depositou, não há o que fazer. O nome ficará sujo por cinco anos, impedindo a concessão de créditos, cheques e cartões.Outro risco que se corre quando o cheque fica muito tempo em poder de terceiros é a privacidade. No cheque pré-datado, normalmente, constam o nome, telefone, CPF e RG do consumidor; muitas vezes também o endereço. Essas informações, em mãos erradas, dão subsídios para o planejamento de vários tipos de ações criminosas. O ideal é sempre pagar à vista, não gastar mais do que se tem. É bom lembrar que o pré-datado é a principal causa de desequilíbrio no orçamento doméstico e endividamento excessivo. Ao invés de pagar os juros altíssimos que são cobrados no Brasil, ganhe com aplicações financeiras, poupando e planejando despesas. Precisando endividar-se, procure opções confiáveis e mais baratas, como penhor e Crédito Direto ao Consumidor (CDC). Evite dívidas no cartão de crédito e cheque especial, que podem tornar-se impagáveis, e especialmente agiotas e cheques pré-datados. Mas se for utilizar esse último recurso, fique atento às seguintes dicas:- O consumidor deve ter um controle apurado e cauteloso com a emissão das folhas de cheque. Todo cheque emitido deve ser controlado no canhoto do talão e através dos extratos bancários.- Nas compras parceladas, o consumidor deve ficar atento às datas de compensação do cheque para evitar problemas por esquecer o compromisso financeiro.- É preciso planejar cuidadosamente o orçamento mensal antes de emitir um cheque pré-datado. O consumidor deve fazer suas contas levando em consideração as despesas fixas (água, luz, telefone e gás) e as despesas eventuais como custos com médico, problemas no veículo, despesas com filhos, desemprego de um membro da família, por exemplo. - Outro cuidado que o consumidor deve tomar com o cheque pré-datado é não acumular dívidas, o que pode significar inadimplência no futuro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.