Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Evite resgatar títulos antes do vencimento

Muitos fundos de renda fixa estão apresentando rentabilidade negativa: isso ocorre porque o valor das cotas dos fundos é apurado pelo sistema denominado “marcação a mercado”.

Fábio Gallo, O Estado de S. Paulo

13 Agosto 2018 | 05h00

Tenho 40 anos e pretendo me aposentar aos 70. Quanto tenho de poupar mensalmente para garantir uma renda mensal de R$ 7 mil até os 90 anos? 

Esses cálculos são possíveis, mas devemos lembrar que são simulações porque envolvem uma série de condicionantes e incertezas, como nível de inflação, taxa de juros e demais riscos inerentes à economia. Com esse alerta inicial dado, para poder retirar R$ 7 mil por mês até os 89 anos, você terá de juntar R$ 1,2 milhão até os seus 70 anos. Para chegar a esse valor, terá de poupar R$2.059 por mês ao longo de 30 anos. Vamos às condições desses cálculos: o valor mensal a ser poupado foi obtido considerando a taxa de juro real de 3% ao ano. Assim, você deve começar aplicando R$2.059 em uma aplicação que renda 0,25% ao mês mais a inflação. No final de 30 anos, terá acumulado o equivalente a R$ 1,2 milhão. Considerando uma inflação anual de 4% e rentabilidade real de 3% ao ano, essa poupança permitirá sacar o equivalente a R$ 7 mil hoje por mais 19 anos. Caso seja obtido um investimento que renda mais, o valor poupado poderá ser menor. Exemplo: uma taxa de 0,5% ao mês traz o valor depositado mensalmente para R$1.194. Qualquer alteração de panorama econômico, muda o cenário de juros e inflação. Devemos lembrar, também, que a nossa expectativa de vida está subindo – e a suposição de que iremos viver somente até em torno de 90 anos já não é válida. Isso torna mais evidente a necessidade de nos prepararmos mais efetivamente para as várias fases de nossa vida após o período de trabalho. 

Recebi o extrato de meu fundo de renda fixa e fiquei nervoso porque a cota está caindo. Eu não invisto em ações justamente por medo de perder dinheiro. Como pode acontecer a mesma coisa nos fundos?

É fato: muitos fundos de renda fixa estão apresentando rentabilidade negativa – e muitos investidores estão com a mesma preocupação que você. Isso ocorre porque o valor das cotas dos fundos é apurado pelo sistema denominado “marcação a mercado”. Todos os dias, os administradores devem calcular o valor da cota trazendo a valor presente os rendimentos e o valor de resgate de cada título da carteira, considerando a data futura em que esse fluxo de caixa irá ocorrer. Pela fórmula matemática, para ser obtido o valor atual, na data de hoje, esse fluxo de caixa deve ser descontado pela taxa de juros de mercado. Assim, quando a taxa de juros subir, o valor do título cai, com maior efeito quanto maior o prazo de vencimento. Isso é o que ocorre neste momento, devido ao cenário econômico em que os investidores estão fugindo do Brasil por toda as incertezas que vivemos e, ao mesmo tempo, as melhores condições da economia norte-americana – situação que provoca aumento de juros em nosso mercado. Por outro lado, devemos entender melhor o que é renda fixa. Investir em um título de renda fixa significa que conhecemos a forma que esse papel será remunerado, mas não exatamente o valor final recebido. Se temos a promessa de receber 5% ao ano, o título será remunerado por essa taxa e é isso que vou ganhar se mantiver a aplicação até o vencimento. Mas, caso o título seja vendido antes do prazo, a negociação será feita pela taxa de juros do momento – e poderá ocorrer de valer menos do que quando foi comprado. Por outro lado, com a queda da taxa de juros, o valor do título sobe. A dica é não vender títulos antes do vencimento. Para os que têm aplicações em fundos: resgate somente em melhores condições de mercado.

Mais conteúdo sobre:
Renda Fixa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.