Estadão
Estadão

Ex-auditor do TCU será diretor-geral da ANTT

O nome de Davi Ferreira Gomes Barreto foi sugerido pelo secretário especial da Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos

André Borges, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2019 | 13h20

BRASÍLIA – A diretoria geral da Agência Nacional de Transportes (ANTT), órgão responsável por fiscalizar as concessões de infraestrutura logística do País, será assumida por Davi Ferreira Gomes Barreto, engenheiro do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e ex-auditor do Tribunal de Contas da União (TCU).

O nome de Barreto, conforme apurou a reportagem, foi sugerido pelo secretário especial da Secretaria do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Adalberto Santos de Vasconcelos. No dia 2 de março, o presidente Jair Bolsonaro encaminhou a indicação de Barreto ao Senado, onde será sabatinado. Confirmada a sua nomeação no Congresso, ele será escolhido para presidir a agência, que hoje é comandada por Mario Rodrigues Filho, ligado ao PR

Barreto deverá se tornar no homem forte do governo quando entrar em operação a futura Agência Nacional de Transportes (ANT), que será criada por meio de um projeto de lei que o governo enviará ao Congresso em abril. Com a ANT, que terá mais quatro diretores, o governo extinguirá a ANTT e a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). As diretorias atuais de ambos os órgãos deverão ser destituídas, mantendo-se apenas o corpo técnico desses órgãos.

Para assumir o posto em Brasília, Davi Barreto deixará o cargo de conselheiro substituto que ocupa atualmente no Tribunal de Contas do Estado do Ceará, onde também tinha assumido o papel de ouvidor da Corte de Contas para 2018 e 2019.

Barreto é graduado em Engenharia Eletrônica pelo ITA e mestre em Regulação pela Universidade de Brasília (UNB). Exerceu o cargo de auditor federal do TCU entre 2008 e 2017, atuando em auditorias sobre regulação de infraestrutura, concessões, gestão fiscal, planejamento e orçamento governamental. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.