Ex-diretor do FED alerta para risco de crise no Brasil

O economista Edwin Truman, ex-diretor de pesquisa sobre finanças internacionais do Federal Reserve norte-americano, disse que o Brasil poderá enfrentar uma crise financeira séria se a situação piorar, apesar dos avanços do País em política monetária. Em entrevista à Dow Jones, Truman afirmou que o Brasil está sendo afetado por uma dívida pública grande demais e "não tão bem estruturada como poderia ser".Para ele, a adoção do câmbio flutuante e do sistema de metas de inflação ajudaram a economia brasileira, mas não são garantia contra um "derretimento". "Com taxas de juro muito elevadas, a dívida não é sustentável e é explosiva, especialmente se acompanhada de um crescimento baixo", disse. Truman também declarou que o câmbio flutuante é uma estratégia mais viável do que um atrelamento ao dólar. "Eu não acho que a dolarização é uma opção para eles", acrescentou. Truman também disse que o sistema de metas de inflação tem sido "razoavelmente bem-sucedido", mas não é um remédio para todos os males que afetam a economia brasileira: "Pode muito bem acontecer que eles entrem em uma crise financeira profunda. Nesse caso, pode-se dizer que o sistema de metas de inflação não tem como prevenir crises financeiras externas. Isso não me surpreende e não deveria surpreender ninguém." Além de ter trabalhado no Fed, Truman foi secretário-assistente do Tesouro para Assuntos Internacionais dirante o governo Clinton; atualmente, ele é um pesquisador sênior no Instituto para Economia Internacional de Washington.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.