Ex-diretor do Fed diz que Greenspan demorou a agir

Mesmo depois da redução de 100 pontos-base na taxa de juros norte-americana em janeiro, anunciando dois cortes num único mês desde agosto de 1982, o Federal Reserve (Fed) recebe a crítica mais ferrenha de um ex-membro da diretoria da instituição. "Estou decepcionado com a atuação do Fed", disse à Agência Estado Robert Heller, ex-presidente da Visa U.S.A. e ex-chefe da Divisão de Estudos Financeiros do Fundo Monetário Internacional (FMI). Heller - que hoje é vice-presidente executivo da instituição financeira Fair, Isaac and Company - esperava uma redução maior dos juros norte-americanos por parte do Fed. Ele acredita que o presidente Alan Greenspan e os membros do Fomc (Comitê de Política Monetária) demoraram demais para agir. "A economia reduziu o crescimento significativamente", disse. Segundo ele, os últimos indicadores do setor de manufaturados mostram uma retração veloz da atividade e revelam que a confiança dos consumidores despencou. "Num cenário como esse, não se pode ter uma postura gradual na redução das taxas de juros como a que o Fed está tendo", comentou. "É preciso uma solução rápida para a situação, coisa que o Fed não está fazendo." Heller lembra de uma situação paralela que enfrentou quando participou do conselho de governadores do Fed e tinha voto no Comitê de Mercado Aberto. "Em 1989, quando a taxa de juros tinha também atingido o pico, nós decidimos assumir uma postura mais gradual e demoramos para reduzir os juros. Resultado: a recessão de 1990 foi muito pior do que esperávamos", contou. Patamar ideal - Heller disse que a taxa de juros norte-americanas deveria estar hoje cerca de 100 pontos-base abaixo do nível atual, mesmo após o último corte do Fed, para que o patamar dos juros estivesse num nível neutro e não num nível ainda restritivo. Na última quarta-feira, o Fed cortou a taxa dos Fed funds em 50 pontos-base para 5,5% ao ano. Segundo ele, os juros dos títulos do Tesouro norte-americano de dois anos estão por volta de 4,8%. Como as taxas de juros de curto prazo devem estar abaixo das taxas de médio prazo, é preciso cortar os juros em mais 100 pontos-base, afirmou Heller. Na opinião de Heller, a atitude do Fed atualmente não condiz com o seu último comunicado. "Quando o Fed baixou os juros, na quarta-feira passada, o comunicado dizia que a situação da economia requer uma resposta rápida e enérgica da política monetária. A postura do Fed não tem sido rápida nem enérgica", afirmou Heller à Agência Estado. Para ele, o Fed deveria ter começado a reduzir os juros nos Estados Unidos já no outono passado no Hemisfério Norte, embora a redução da atividade econômica não fosse tão aparente naquele momento. "Mas o Fed sempre se orgulhou de antecipar ciclos econômico, como o aumento das taxas para evitar um superaquecimento. Na baixa, eles perderam o ´timing´" , afirmou. Corte de impostos - Para Heller, o presidente George Bush terá um papel fundamental para reativar a economia norte-americana. "Se o presidente Bush realizar uma redução nos impostos de forma rápida, estará dando uma grande ajuda na recuperação da atividade econômica", disse Heller. Um corte nos impostos, segundo Heller, não só dará um impulso fiscal às empresas e instituições financeiras, mas também ao consumidor norte-americano. "Isso afetará psicologicamente o consumidor de forma positiva", explicou. O consumidor terá mais renda para gastar, diferentemente do sentimento de riqueza que sentiu quando o mercado de ações registrou anos seguidos de alta. Para Heller, os Estados Unidos estão muito próximos de crescimento zero da economia. "Esse crescimento zero deverá continuar até meados do ano, recuperando-se no segundo semestre", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.