Ex-diretor do Goldman é acusado de vazar segredos corporativos

Promotores federais dos EUA poderiam apresentar ainda ontem acusações criminais contra Rajat K. Gupta, importante executivo envolvido numa investigação de "insider trading", ou seja, uso de informação priveligiada para obter lucro nos mercados.

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2011 | 03h04

O caso contra Gupta, de 62 anos, amplia o alcance das investigações nesse tipo de crime para as mais prestigiadas corporações do país. Até agora, a maioria dos réus acusados por esse crime ficava exclusivamente em Wall Street.

A acusação traz à tona o envolvimento do conselheiro de confiança de líderes políticos e executivos das mais importantes empresas do mundo. Ex-diretor do Goldman Sachs e Procter & Gamble e há muito tempo o principal executivo da McKinsey & Company, empresa de consultoria de elite, Gupta é acusado de vazar segredos corporativos para Raj Rajaratnam, co-fundador do fundo de hedge Galleon.

Natural do Sri-Lanka, Rajaratnam foi condenado este mês a 11 anos de prisão por um dos maiores casos de insider trading, que envolveu, entre outras empresas, a Goldman Sachs, a Intel e a IBM.

No total, mais de duas dúzias de pessoas foram presas nesse processo e a todas foram aplicadas penas que variaram entre alguns meses e 10 anos de prisão. / THE NEW YORK TIMES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.