Ex-dono do Assaí compra rede de supermercados Russi

Rodolfo Nagai fica com o controle da empresa ao assumir dívida de R$ 200 milhões; negócio deve ser fechado hoje

LÍLIAN CUNHA, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2012 | 02h04

Rodolfo Jungi Nagai, fundador da rede atacadista Assaí, que hoje pertence ao Grupo Pão de Açúcar, deve fechar hoje, segundo fontes do setor, a compra da rede de supermercados Russi, com sede em Jundiaí, no interior de São Paulo. O Russi tem 16 lojas e faturamento anual estimado em R$ 800 milhões.

Nagai ficará com o controle da empresa em troca de assumir a dívida da companhia varejista, calculada em R$ 200 milhões.

O Russi é uma empresa familiar com 60 anos de mercado. No início do ano passado, a família Russi decidiu profissionalizar a gestão e contratou Oseas Santos, ex-diretor financeiro da Anhanguera Educacional, que também já foi vice-presidente financeiro do Walmart.

No início do ano, a rede chilena Cencosud negociou a compra do Russi. Mas a aquisição não foi adiante, segundo fontes, por causa das desavenças entre os familiares, que em seguida, reassumiram o controle da rede, com lojas em Jundiaí, Várzea Paulista, Itupeva, Campo Limpo Paulista, Hortolândia, Valinhos, Bragança Paulista e Itatiba. Ainda segundo fontes, o Russi também sofreu com desabastecimento nos primeiros meses do ano, por conta de problemas financeiros da companhia. Orides Russi, um dos acionistas da rede, também é vice-presidente do conselho deliberativo da Associação Paulista de Supermercados (Apas).

Agora, Nagai deve assumir o controle e a família será afastada do negócio. As negociações entre as partes levaram aproximadamente três meses.

Pastel. Rodolfo Nagai começou seus negócios vendendo farinha de trigo para bancas de pastel de feira em São Paulo. Fundou a rede Assaí no início dos anos 70. Em 2007,quando o Grupo Pão de Açúcar (GPA) comprou 60% da empresa por R$ 208 milhões, o Assaí já tinha 30 lojas. Dois anos depois, em 2009, o grupo adquiriu o restante da companhia, por mais R$ 175 milhões.

Até o fim do ano passado, quando venceu o prazo de dois anos da cláusula de não competição - que impede o vendedor de concorrer diretamente com o comprador -, o empresário se manteve afastado do segmento. Dedicou-se ao ramo de laticínios, com a marca de queijos Vencedor. Chegou a ter seis laticínios que faturavam em média R$ 220 milhões ao ano.

Em novembro do ano passado, Nagai vendeu para a BRF - Brasil Foods o laticínio Heloísa, localizado na cidade de Terenos, em Mato Grosso do Sul, por R$ 122,5 milhões. Na mesma época, Nagai decidiu voltar ao ramo de supermercados, ao se associar em 2011 ao amigo Paulo Tadao, dono da rede paulista de supermercados Ricoy, com 74 unidades em 20 cidades e receita de R$ 1,5 bilhão. A empresa, desde então, está sendo reestruturada por Nagai e pela equipe que gerenciava o Assaí antes da venda para o Grupo Pão de Açúcar.

A reportagem do Estado tentou contato com Rodolfo Nagai e a diretoria do Russi para comentar o assunto, mas não obteve resposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.