Ex-economista do FMI prevê série de calotes soberanos

Países como Alemanha, EUA e Japão terão de cortar gastos se os mercados começarem a exigir juros maiores, diz Rogoff 

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

23 de fevereiro de 2010 | 14h09

O ex-economista-chefe do FMI, Kenneth Rogoff, previu uma série de calotes soberanos e que países como a Alemanha, os Estados Unidos e talvez o Japão, terão de realizar cortes em seus gastos quando possivelmente os mercados financeiros começarem a exigir juros maiores. Rogoff disse também que a política fiscal no Japão está "fora de controle".

 

Durante um fórum realizado em Tóquio nesta terça-feira, Rogoff advertiu que após uma crise bancária, "normalmente ocorrem vários calotes soberanos, digamos em poucos anos. Acredito que veremos isso novamente". Rogoff acrescentou que esse momento é muito difícil de prever, mas que "irá acontecer".

 

Segundo Rogoff, os mercados financeiros irão eventualmente direcionar as taxas de juro em alta e países europeus, como a Grécia e Portugal, "terão muitos problemas". "Nos países ricos - Alemanha, Estados Unidos e talvez Japão - veremos crescimento lento. Eles terão de apertar o cinto, quando atingidos pelo problema da alta taxa de juro". As informações são das agências internacionais.

Tudo o que sabemos sobre:
FMI, calote, economista

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.