Ex-engenheira da Motorola será presa por roubar segredos comerciais

Hanjuan Jin, cidadã naturalizada norte-americana, estava trabalhando em segredo para a Sun Kaisens, companhia que desenvolve tecnologia para o Exército da China.  

Priscila Arone, da Agência Estado,

29 de agosto de 2012 | 18h22

NOVA YORK - Uma ex-engenheira da Motorola foi sentenciada nesta quarta-feira a quatro anos de prisão por roubar segredos comerciais da empresa, informou o Departamento de Justiça dos EUA. Hanjuan Jin, cidadã naturalizada norte-americana, nascida na China, estava trabalhando em segredo para a Sun Kaisens, companhia chinesa que desenvolve tecnologia de telecomunicações para o Exército da China.

Em 28 de fevereiro de 2007 ela foi parada por funcionários da alfândega no Aeroporto Internacional O'Hare, em Chicago, quando tentava viajar com uma passagem só de ida para a China. Mais de 1.000 documentos da Motorola estavam com Jin e foram apreendidos pelas autoridades.

Alguns documentos tinham descrições detalhadas de um recurso de comunicação específico que a empresa incorpora a seus produtos vendidos em todo o mundo. Também foram recuperados documentos militares secretos do Exército chinês, que descreviam certos projetos de telecomunicação militares, assim como cerca de US$ 30 mil em dinheiro.

Jin, de 41 anos, trabalhou como engenheira de software da Motorola durante nove anos e foi condenada por três acusações de roubo de segredos comerciais em fevereiro, após um julgamento que durou cinco dias, ocorrido em novembro. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.