Rodrigo Clemente/Estadão
Rodrigo Clemente/Estadão

Ex-estagiária do INSS é presa por suspeita de envolvimento em fraude de R$ 20 milhões

Trabalhando hoje como psicóloga, mulher foi apontada pela Polícia Federal como responsável por providenciar documentos fraudados de comprovação de tempo de serviço para interessados em obter aposentadoria

Marcelo Portela, O Estado de S. Paulo

21 de novembro de 2014 | 15h41

BELO HORIZONTE - Uma ex-estagiária do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) foi presa ontem (21) pela Polícia Federal (PF) em Belo Horizonte, acusada de provocar um rombo de até R$ 20 milhões nos cofres públicos. A mulher, que tem 48 anos e hoje trabalha como psicóloga, é apontada como responsável por providenciar documentos fraudados de comprovação de tempo de serviço para interessados em obter aposentadoria.

A suspeita, cujo nome não foi revelado, foi presa na Operação Lewinsky, durante a qual foram executados também mandados de busca e apreensão em endereços mantidos pela psicóloga. O nome da operação é uma referência a Mônica Lewinsky, estagiária da Casa Branca que se tornou pivô de um escândalo por causa de relações sexuais com o então presidente do Estados Unidos Bill Clinton na década de 1990.

Foi neste mesmo período que a acusada pela PF fez estágio no INSS. O delegado Marcílio Zocrato, que presidiu o inquérito, acredita que no período em que a suspeita atuou no órgão "ela tenha aprendido como tramitam os processos no INSS" para por em prática a fraude. 

Segundo o delegado, ela aliciava interessados e cobrava para falsificar documentos com comprovação de tempo de serviço, inclusive em órgãos públicos. 

"Ela fornecia a documentação forjando vínculos empregatícios inexistentes. Parece que os documentos ela mesma forjava e apresentava aos clientes", observou. Ainda de acordo com a PF, a mulher cobrava R$ 2 mil por cada documento e ainda ficava com a primeira parcela dos benefícios obtidos por meio da fraude. 

A psicóloga já foi investigada em 2004 pelo mesmo tipo de crime e chegou a ser condenada, mas a Justiça Federal aplicou pena alternativa porque a sentença determinou período de prisão inferior a quatro anos. 

Mesmo condenada, de acordo com o delegado Felipe Drummond, ela continuou a cometer a fraude em Belo Horizonte e em Divinópolis, na região central de Minas. Ela foi encaminhada à Penitenciária Estevão Pinto, na capital, e pode ser condenada a mais de seis anos de prisão para cada fraude confirmada. 

A PF informou que também vai instaurar inquéritos para investigar os beneficiários do esquema, que podem ser condenados a penas semelhantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.