Ex-funcionária é condenada por xingar ex-patrões em rede

Elaine, que também admitiu causar maus-tratos aos animais, terá de pagar R$ 4 mil aos sócios da clínica veterinária onde trabalhava

Julio Cesar Lima, especial para O Estado de S. Paulo ,

29 de novembro de 2012 | 18h48

CURITIBA - A ex- funcionária da Clínica Veterinária Mundo Cão, em Curitiba (PR), Elaine Lourenço, terá que pagar R$ 4 mil aos sócios do estabelecimento Leonardo Hrebinnik e Micheline Cavichiolo por determinação do Tribunal Superior do Trabalho (TST). Ela foi condenada ao ressarcimento por danos morais, em ação impetrada pelo casal junto à 1ª Vara do Trabalho de Curitiba; depois de realizar vários comentários sobre os ex-patrões na rede social Orkut.

Segundo o ministro do TST, Emmanoel Pereira, relator do caso, o conteúdo extraído das conversas entre Elaine e algumas colegas desmonstraram a gravidade da ação. Elaine, que também admitiu causar maus-tratos aos animais levados à loja, ainda pode recorrer da decisão, divulgada na quarta-feira, 28, junto à Subseção de Dissídios Individuais.

Antes da decisão, porém, o valor da multa chegou a ser questionado. Em seu despacho, a desembargadora Sueli Gil El Rafihi, da 6ª Turma do TRT-PR, afirma, porém, que o caso era passível da punição. "..entendo que a gravidade da conduta praticada pela ex-empregada (confessando, inclusive, crimes de maus tratos contra animais que estavam sob sua guarda, e principalmente, sob a guarda dos proprietários da clínica veterinária, além da utilização de diversos e variados palavrões do mais baixo calão), bem assim, o caráter pedagógico da pena, impõem, no mínimo, a manutenção do valor já fixado na sentença..", disse.

Na sentença fica explícita a relação de Elaine com as amigas Tati, Flávia e Andressa, onde ele direcionava as críticas contra os ex-patrões. Por causa desses comentários, diz a sentença, houve "abalo no patrimônio moral dos autores, assim como diante do meio social em que convivem". Em algumas conversas Elaine chegou a se referir a eles com as expressões "gordo" e "corna".

Elaine chegou a argumentar que não citava nomes e por isso os comentários não eram dirigidos ao casal. Apesar do apelo, os juízes entenderam que não precisava ser nominais os comentários, pois todos eles eram direcionados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.