Ex-funcionário diz que metade da frota da Vasp está parada

A Vasp tem 15 aeronaves paradas por problemas técnicos e corre o risco de ter toda a frota de 31 aviões no chão até o fim do ano, caso não receba investimentos. O alerta é de um funcionário do setor de manutenção, demitido recentemente. Segundo ele, desde maio foram dispensados 150 trabalhadores dessa área. A empresa informou que foram demitidos 30. Hoje, 69 vôos da empresa foram cancelados. É o quarto dia consecutivo de interrupção de saídas. Segundo o ex-funcionário, não há perigo para os passageiros, já que os aviões em operação estão em condição de vôo. "A equipe de manutenção é muito consciente. Se não há condições de vôo, o pessoal pára o avião, embora exista uma pressão muito grande por parte da empresa para a liberação." A Vasp negou que haja pressão e não confirma que 15 aviões estejam parados. Reconhece só as seis aeronaves suspensas quinta-feira, mais "duas ou três" que param todos os dias para reparos diários. Por meio de um comunicado, informa que as "atividades estarão completamente normalizadas no decorrer das próximas horas". O problema da insuficiência de aeronaves começou na terça-feira, quando 87 vôos foram suspensos por causa de uma greve de 24 horas promovida por mil pilotos e comissários, por falta de pagamento e outras pendências. Os trabalhadores da Vasp realizam assembléia na segunda-feira porque a empresa não pagou hoje os salários acima de R$ 1,5 mil, conforme prometido. A presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziella Baggio, não descartou nova greve.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.