Ex-funcionários da Varig protestam pela venda da companhia

Para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o caso sobre a venda da empresa aérea 'está encerrado'

Daniele Carvalho

29 de junho de 2008 | 15h30

 Cerca de mil ex-funcionários da Varig realizaram no sábado, pela manhã, na Praia de Ipanema, zona sul do Rio de Janeiro, manifestação para exigir o pagamento de dívidas trabalhistas da companhia e o repasse de créditos ao fundo de pensão complementar da categoria, o Aeros.   Durante a passeata, que percorreu ruas em Ipanema, na zona sul, foram distribuídas laranjas para chamar a atenção da sociedade sobre a série de escândalos em torno da venda da empresa. Na sexta-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, em Caracas, que o caso sobre a venda da companhia aérea "está encerrado".   Veja também: Entenda as denúncias contra a venda da Varig    De acordo com uma das organizadoras do evento, Ângela Arend, os ex-funcionários não receberam as indenizações trabalhistas referentes à demissão realizada pela companhia em 2006, época do leilão de venda.   "Também reclamamos depósitos de Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) que não foram feitos, bem como o pagamento de salários e de duas gratificações de décimo terceiro salários", diz Ângela, que trabalhou por 26 anos na companhia aérea como comissária de bordo.   Já em relação ao Aeros, os manifestantes cobram o repasse de créditos, estimados pelas associações de funcionários em R$ 3,2 bilhões, provenientes do congelamento de tarifas, realizado durante o governo Sarney.   "Todas estas irregularidades abrem precedentes para que outros empresários adquiram companhias e não arquem com os passivos trabalhistas. Cerca de 75% dos ex-funcionários da Varig ainda estão desempregados", acrescenta Ângela. Uma nova passeata já está sendo articulada pelas associações e deve ocorrer nas próximas semanas.

Tudo o que sabemos sobre:
Varig,

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.