coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Ex-gerente da VarigLog é condenado por cartel

Justiça de São Paulo impõe 10 anos de prisão e multa de R$ 379 mi a executivo

Fausto Macedo e Mateus Coutinho, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2014 | 02h02

A Justiça de São Paulo condenou o executivo José Roberto Rodrigues da Costa, ex-gerente de carga internacional da Varig Logística S/A (VarigLog), a 10 anos e 3 meses de prisão, em regime fechado, e pagamento de multa de R$ 378,9 milhões por crimes de quadrilha e cartel das cargas aéreas a partir da combinação de preços de combustível e do frete. Os danos foram calculados em até R$ 757,7 milhões.

Além de Roberto, sete executivos de outras gigantes do setor - KLM Cargo, Air France Cargo, ABSA Cargo, Alitalia, United Airlines e American Airlines Cargo, também denunciados na ação penal, foram beneficiados em acordo de leniência firmado com base no artigo 87 da Lei 12.529/11, que estrutura o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência - cumprido o pacto de cooperação pelo investigado extingue-se automaticamente a punibilidade dos crimes de cartel.

Para os sete, foi decretada a suspensão condicional do processo criminal por três anos, mediante o cumprimento de condições impostas pela Justiça e multa. Rodrigues da Costa, por sua vez, poderá recorrer em liberdade.

Assim que um novo valor máximo para o adicional de combustível era fixado e autorizado pelo Departamento de Aviação Civil "os denunciados, coordenados, iniciavam contatos para verificar se todas as companhias cobrariam esse valor máximo e estabeleciam precisamente a data a partir da qual esse aumento se daria", afirma na decisão a juíza Fernanda Afonso de Almeida, da 27.ª Vara Criminal de São Paulo.

Criado em julho de 2003, o adicional de combustível foi implantando no País para acompanhar o aumento internacional dos preços dos combustíveis da aviação, O adicional funciona como um indexador para o cálculo do preço do transporte aéreo de carga no Brasil e é calculado periodicamente pelo DAC.

Domínio de mercado. Em São Paulo, o conluio das companhias foi desmontado pelos promotores de Justiça que integram o Grupo de Atuação Especial de Combate à Formação de Cartel e à Lavagem de Dinheiro (Gedec), braço do Ministério Público Estadual.

Os promotores agiram em parceria com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) - órgão do governo federal que rastreia cartéis -, com o qual foi firmado acordo de leniência com Lufthansa e Swiss International.

Segundo laudo do Departamento de Proteção e Defesa Econômica do Ministério da Justiça, as empresas envolvidas correspondiam a 78% do mercado. O cartel gerou ainda o sobrepreço médio de 10% a 20% no frete aéreo. "As consequências do cartel foram devastadoras e excessivamente prejudiciais", alerta a magistrada.

A partir de julho de 2003, até 2005, os acusados, ocupando cargos de direção nas aéreas "associaram-se em quadrilha estável, cada um aderindo à intenção dos demais, em coautoria bem delineada, com o propósito de cometer crime de formação de cartel, com o fim de comprometer a livre concorrência do mercado aeroviário inovando artificialmente valor de tarifas fixadas pelo Departamento de Aviação Civil".

Segundo a sentença, durante os dois anos, os acusados mantiveram contato e trocaram informações de forma a reajustar os valores sempre mesma data e na mesma proporção. E-mails e telefonemas interceptados pelos investigadores, com autorização judicial, revelam que o grupo se reunia em escritórios na Avenida Paulista e na Vila Olímpia, e também nos saguões dos aeroportos de Cumbica e Viracopos, "sempre os mesmos e em mais de 3, e os diálogos perduraram por mais de 2 anos".

De acordo com a juíza, Rodrigues da Costa e "os demais agentes uniram-se à empreitada conscientes de que se tratava de uma organização firme e duradoura, que tinha por finalidade promover, de forma sistemática e intencional, a uniformidade artificial dos preços do adicional de combustível e da data de vigência, a cada aprovação de aumento pelo DAC, durante anos".

A juíza advertiu ainda sobre "a extrema gravidade" do dano causado à população e que o esquema prejudicou a economia brasileira. "O delito ocasionou prejuízos à inovação, ao impedir que concorrentes aprimorassem seus processos produtivos e lançassem novos e melhores produtos e serviços no mercado, do que ocasiona destruição de riqueza e perda de bem estar do consumidor, além de perda da competitividade da economia como um todo, sem olvidar no aumento da dificuldade à entrada de um competidor no mercado", alerta.

Acordo. As investigações sobre o cartel das aéreas foram deflagradas na Europa, entre 2005 e abril de 2006, e o resultado levou o Grupo Lufthansa a pleitear a inclusão nos programas de leniência em todo o mundo, estendendo-se ao Brasil. Também envolvida no esquema, a Swiss International Airlines foi outra que cooperou com as investigações. Ambas firmaram acordo de leniência com a União em dezembro de 2006 e, por isso, não tiveram nenhum de seus funcionários ligados no esquema denunciados pelo MP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.