bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Ex-ministro argentino diz que FMI fará mais exigências

O ex-ministro da Economia e da Defesa da Argentina, Ricardo López Murphy, disse que o financiamento que a Argentina está buscando no FMI, agora, não pode ser considerado um pacote de ajuda, porque se refere a recursos para pagar uma parcela de US$1,7 bi que vence em 15 de julho. "Não é um pacote de ajuda. É só abonar com um financiamento disponível um outro financiamento que vence", disse. De acordo com ele, para que esse financiamento saia o FMI provavelmente exigirá da Argentina programas financeiro, monetário, fiscal, um acordo com as províncias e outras medidas. Ele afirmou também que a situação da Argentina é muito complicada, e é natural que o país queira manter uma relação normal com os organismos financeiros internacionais. Murphy também afirmou que nunca ouviu falar em propostas para uma dolarização na Argentina. O assunto da dolarização foi debatido no Seminário de Integração da América Latina, promovido pelo Cebri e pela Fundação Konrad Adenauer. O economista brasileiro, filho de argentinos, Fábio Giambiagi disse que a Argentina caminhará para uma dolarização caso o próximo governo não seja bem sucedido em tentar uma política mais gradual. O presidente do Instituto de Planejamento Estratégico (IPE) da Argentina, Jorge Castro, defendeu a dolarização no país dizendo que entre US$ 24 bilhões e US$ 27 bilhões estão na economia da Argentina fora do sistema financeiro. Murphy também participa do seminário mas só dará palestra amanhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.