Ex-presidente da Panamco rebate acusações da Dolly

O ex-presidente da Panamco (engarrafadora da Coca-Cola), Jorge Giganti, divulgou nesta terça-feira nota à imprensa rebatendo as acusações da Dolly de que ele estaria envolvido no processo de dumping que a gigante norte-americana de bebidas teria empreendido contra a fabricante brasileira de refrigerantes. Em reportagem publicada pela Agência Estado, o executivo foi citado erroneamente como o interlocutor do presidente da Dolly, Laerte Codonho, em uma série de gravações que comprovariam atos de concorrência desleal contra a brasileira. Na realidade, quem participa da gravação, segundo Laerte Codonho, é Luis Eduardo Capistrano do Amaral, um ex-diretor da multinacional norte-americana. Segue íntegra da nota distribuída por Giganti: Em razão das reportagens divulgadas pelos meios de comunicação, veiculando infundadas e desrespeitosas declarações sobre a minha pessoa, venho a público esclarecer que não tive acesso ao conteúdo das fitas que serviram de base para as referidas reportagens, e que até agora também por esse motivo não exerci o meu direito de resposta, evidentemente cabível em casos como este, até porque previsto expressamente em lei. Ademais, as referidas declarações constituem verdadeiros atos de calúnia, injúria e difamação contra minha pessoa, e por esta razão informo que estou tomando todas as medidas jurídicas cabíveis, inclusive no âmbito criminal, visando não só a imediata cessação dos ataques à minha imagem, mas também a identificação e responsabilização dos causadores desta situação vexatória, fruto de gravações obtidas de forma ilícita e de conteúdo absolutamente falso. Por outro lado, dada a ausência de elementos e informações acerca dos fatos apresentados pelas referidas reportagens, esclareço que somente poderei me manifestar de maneira adequada sobre o assunto, ainda que utilizando do meu direito de resposta, após me ser disponibilizado o inteiro teor das gravações. Finalmente, tais acusações são absolutamente insubsistentes, pois incompatíveis com a minha trajetória profissional, a qual foi sempre pautada pelos princípios éticos e morais que devem nortear a atividade empresarial, e sabida de todos que me conheceram no exercício dos cargos que ocupei na Coca-Cola ou nas empresas do Sistema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.