Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Ex-presidentes do BC e ex-ministros da Fazenda se unem para cobrar mudanças na questão ambiental

Entre os signatários estão Armínio Fraga, Eduardo Guardia, Henrique Meirelles, Ilan Goldfajn, Joaquim Levy, Maílson da Nóbrega, Persio Arida e Rubens Ricupero

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2020 | 16h49

BRASÍLIA - Depois da pressão dos investidores internacionais e empresários nacionais, ex-ministros da Fazenda e ex-presidentes do Banco Central vão se reunir para lançarem, no próximo dia 14, uma carta conjunta em defesa de uma recuperação econômica “verde” após a pandemia da covid-19 e o controle firme do desmatamento da Amazônia. O documento vai apresentar diretrizes para uma agenda de investimentos sustentáveis voltada para uma economia de baixo carbono. 

É a primeira vez que ex-dirigentes da equipe econômica do governo federal se juntam para fazer uma mobilização com foco no meio ambiente e na busca de uma convergência nacional em torno do tema. 

O movimento ocorre depois dos alertas sucessivos para o risco de o Brasil afastar investimentos estrangeiros e também perder mercado internacional para os produtos nacionais por conta da política ambiental do governo Bolsonaro - principalmente nas áreas de fiscalização do desmatamento, controle das queimadas na Amazônia e nas tentativas sucessivas de mudanças da legislação ambiental. 

Entre os signatários estão Armínio Fraga, Eduardo Guardia, Henrique Meirelles, Ilan Goldfajn, Joaquim Levy, Maílson da Nóbrega, Persio Arida e Rubens Ricupero. A iniciativa foi coordenada pelo Instituto Clima e Sociedade (iCS) e pelo Instituto O Mundo Que Queremos.

Segundo Guardia, ex-ministro da Fazenda do governo Michel Temer, a carta trata de princípios sobre a importância de uma economia de baixo carbono. Para ele, tem havido ruído com relação à questão ambiental no Brasil, o que afeta a percepção dos investidores estrangeiros sobre o País. 

Guardia ressalta a necessidade de o País aumentar investimentos sustentáveis para impulsionar a produtividade, sobretudo em capital humano qualificado. “Precisamos enfrentar fortemente o desmatamento e pensar no nosso crescimento de maneira sustentável e com mais produtividade”. Para ele, esses temas têm de estar em qualquer estratégia de crescimento e desenvolvimento de qualquer País.

 

Para Maílson da Nóbrega, ministro da Fazenda no governo Sarney, a carta é uma reação à  maneira descuidada com que o governo está tratando o meio ambiente. “Ninguém estava preparado para a pandemia, mas outro choque que pode vir a acontecer é o da mudança climática, com consequências piores”, alertou.

Maílson diz que é um equívoco o diagnóstico do governo Bolsonaro de que a pressão internacional tem razões geopolíticas porque o Brasil se tornou uma potência agrícola. “Isso é teoria conspiratória. Esses investidores não têm nada a ver com governos. A motivação não é política”, disse. Para ele, se a equipe do Ministro da Economia, Paulo Guedes, não estiver preocupada com o tema ambiental, deveria estar, porque o mundo exige políticas responsáveis.

  

Ex-ministro da Fazenda e do Meio Ambiente, Rubens Ricupero diz que a carta é diferente dos outros manifestos recentes - muitos dos quais também tiveram a sua participação.  “Ele não é de curto prazo.  É mais uma visão de aproveitar a saída da pandemia para não repetir o mesmo padrão da economia do passado”, disse.

Ricupero ressalta que a Europa agora está fazendo uma recuperação verde, e essa é também a proposta dos democratas da campanha das eleições presidenciais americanas neste ano. “A saída da crise econômica deve ser feita com economia de energia limpa e sustentável e geração de empregos nessa área.”

O ex-ministro da Fazenda no governo Temer e ex-presidente do BC no governo Lula, Henrique Meirelles, considera que a retomada econômica é totalmente compatível com a preservação ambiental. “É muito importante o alinhamento total com as normas ambientais internacionais para viabilizar o volume de investimentos externos necessários para o crescimento sustentável”, diz Meirelles. atual secretário de Fazenda do Estado de São Paulo. 

Antes tratada como preocupação isolada de setores como o agrícola, energético e ambiental, o debate sobre a proteção do meio ambiente e a imagem negativa no exterior entrou mais fortemente na agenda econômica. O ministro Guedes, no entanto, tem encampado o discurso do Palácio do Planalto de que a pressão política na área ambiental segue razões comerciais.

O Ministério da Economia é sempre cauteloso nas manifestações públicas, mas o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, tem tomado a dianteira ao expor, dentro do governo e em público, os riscos envolvidos para o País. Em reunião do Conselho de Governo, no dia 21 de janeiro, o presidente do BC relatou aos presentes o temor de o debate ambiental prejudicar o Brasil na área econômica.

"O tema da mudança climática está na agenda de todos os bancos centrais. Os banqueiros centrais da Europa dedicam muito tempo à discussão ambiental", afirmou Campos Neto, em teleconferência recente organizada pelo Climate Bonds Initiative (CBI), com o tema: "Destravando o potencial de investimentos verdes para agricultura no Brasil".

Integrantes do Ministério da Economia têm recebido avisos dos gestores dos fundos de investimento estrangeiros que procuram o governo para enfatizar a questão ambiental. Esse é um movimento global. Fundos da Europa e do Canadá enfatizam muito essa questão, assim como empresas.  A avaliação é de que o governo precisa mostrar que o País se importa com isso. Os investidores estrangeiros são “clientes” do Tesouro na compra de títulos da dívida pública no Brasil e no exterior.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Floresta Amazônicaecologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.