Execução de 100% do PAC não reverteria déficit de infraestrutura

Programa, contudo, foi fundamental para mudar patamar de investimentos em transportes de R$ 1 bi para R$ 20 bi anuais, afirmou o presidente da  Empresa de Planejamento Logístico

Mariana Durão, da Agência Estado,

26 de novembro de 2012 | 16h05

RIO - A execução do total dos investimentos anuais previstos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) não seria suficiente para reverter o déficit de infraestrutura do País, afirmou o presidente da Empresa de Planejamento Logístico (EPL), Bernardo Figueiredo. Segundo ele, apesar das críticas quanto a baixa execução do PAC, ele foi fundamental para mudar o patamar de investimentos públicos no setor de transportes de R$ 1 bilhão para R$ 20 bilhões por ano. "Mas mesmo que a gente executasse 100% do PAC não seria suficiente para recuperar o déficit de infraestrutura no País", disse, ressaltando que o PAC desencadeou um processo que revelou as fragilidades do setor público na execução de investimentos, com falta de projetos executivos, licenciamento ambiental e até pessoal técnico na Valec e no DNIT.

Figueiredo afirmou que a EPL tem justamente a missão de propor estudos e fazer a avaliação da infraestrutura para eliminar déficits de forma permanente. "Essa ação tem que ser continua", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
PACEPL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.