Execução de hipotecas nos EUA sobe 18% em agosto

O número de propriedades nos Estados Unidos para as quais uma ordem de execução de hipotecas foi entregue caiu 0,5% em agosto, em comparação com o recorde de julho deste ano, mas cresceu 18% ante agosto do ano passado, de acordo com a empresa RealtyTrac, que monitora o mercado imobiliário.

ANDRÉ LACHINI, Agencia Estado

10 de setembro de 2009 | 16h41

O executivo-chefe da RealtyTrac, James Sacaccio, disse que o relatório de agosto demonstra que os números de execuções de hipotecas ainda trazem "uma ampla oferta de propriedades". O dado vem a público no momento em que o fluxo de propriedades reclamadas por credores e colocadas no mercado para revenda está "sendo regulado com mais cuidado", destacou ele.

Os dados mostram também que tanto o número de propriedades cujos donos estão inadimplentes por falta de pagamento quanto o de imóveis que deverão ir a leilão público bateram recorde.

Ordens de execução de hipotecas foram feitas em 358.471 propriedades nos Estados Unidos durante agosto, abaixo apenas 0,5% do recorde de julho, que já representou o terceiro recorde de execuções em cinco meses. A RealtyTrac começou a publicar o relatório em 2005.

O relatório da RealtyTrac foi publicado logo após o estudo feito pelo Departamento do Tesouro americano, o qual informou que o programa de prevenção de execução de hipotecas feito pela administração do presidente Barack Obama, de US$ 75 bilhões, teve pequeno impacto em agosto. Grandes empresas hipotecárias ainda colocam obstáculos ao sucesso do programa. Crescem as preocupações de que o esforço, que confia em pesados incentivos do governo para credores e devedores, não será o suficiente para barrar a crescente execução de hipotecas ao redor do país.

Em média um a cada 12 mutuários está com atrasos sérios no pagamento da sua hipoteca, informou recentemente a Associação de Banqueiros Hipotecários. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
imóveishipotecasexecuçõesEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.