Executivo foi formado pelo avô Gianni Agnelli

Perfil[br][br]John Elkann, novo presidente do Grupo Fiat

, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2010 | 00h00

O jovem John Elkann, de 34 anos, conhecido entre os íntimos como Yaki e formado pelo avô, o lendário "advogado" Gianni Agnelli, é representante da quinta geração da família. Designado como herdeiro aos 22 anos, em janeiro de 2003, é filho de Margherita Agnelli e do escritor e jornalista Alain Elkann.

Yaki é o único representante da família dentro da diretoria do grupo. Alto, magro, refinado, é um cosmopolita nascido em Nova York que já morou no Brasil, em Paris e em Londres. Estudou engenharia e é apaixonado pela internet. Ainda adolescente, era obrigado pelo avô a passar as férias trabalhando na fábrica, como parte de sua formação.

O célebre "advogado" ? como era chamado Gianni Agnelli ? adorava enfrentar riscos para medir as próprias capacidades, principalmente nos esportes. Tinha por hábito constranger também os netos a buscar pistas de esqui perigosas, saltar de helicópteros para mergulhar no mar ou nadar por quilômetros até alcançar uma ilha, por exemplo.

Formado na prestigiosa faculdade politécnica de Turim, Elkann graduou-se engenheiro em 2000. Seguindo os preceitos do avô, foi operário na fábrica da Magneti Marelli na Grã-Bretanha, participou da linha de montagem do Fiat 500 na Polônia e foi vendedor numa sucursal da empresa no norte da França.

Em 2001, começou sua carreira profissional como auditor da General Electric, antes de passar, em 2002, para a Lingotto, a lendária sede central da montadora Fiat em Turim. Naquele momento, a empresa passava por um dos períodos mais negativos de sua centenária história: estava prestes a quebrar. A morte do avô, seguida um ano depois pela do tio, Umberto, catapultou Elkann precocemente à liderança da dinastia.

Participou da ressurreição da Fiat ao lado de uma equipe de jovens técnicos chamados de "Sergio boys", liderados pelo diretor Sergio Marchionne.

Apesar da juventude e da voz calma, Yaki teve pulso firme para impor o francês Jean Claude Blanc na diretoria do time de futebol Juventus, após os escândalos que envolveram a equipe em acusações de compra de resultados nas partidas.

Com igual firmeza, se opôs, em 2007, à denúncia que sua mãe apresentou contra a forma de avaliação da herança de Gianni Agnelli. Casado com Lavinia Borromeo, de uma conhecida família aristocrática, Elkann é pai de dois filhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.