Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

'Executivo perdeu sua capacidade de administrar o País', diz Delfim Netto

Ex-ministro da Fazenda afirmou no 'Fórum Estadão' que Orçamento público está engessado e tem mais da metade de suas despesas atreladas a salários e aposentadorias

Altamiro Silva Junior e Thais Barcellos, O Estado de S.Paulo

03 Abril 2018 | 12h12

O economista Delfim Netto, ex-ministro da Fazenda, afirmou nesta terça-feira que o poder executivo perdeu sua capacidade de administrar o país e de executar o Orçamento público, que está engessado e tem mais da metade de suas despesas atreladas a salários e aposentadorias. A declaração foi feita no Fórum Estadão: A Reconstrução do Brasil - Caminhos para o Crescimento, realizado nesta terça-feira em São Paulo.

Delfim ressaltou que o Brasil chegou a um "desarranjo fiscal" em que existe um Estado "antropofágico", que funciona para si mesmo e restringe sua capacidade de atender a população.

"O Estado tem que ser o instrumento da sociedade e não ser um fim em si mesmo", afirmou o ex-ministro, arrancando aplausos da plateia. "Temos que reconstruir os fundamentos de uma sociedade onde a liberdade e a igualdade e a eficiência sejam o caminho para gerar o bem-estar da sociedade."

O ex-ministro destacou que é preciso usar as eleições para se fazer mudanças necessárias no Brasil. "O problema é muito difícil e só a eleição pode começar a resolver", ressaltou ele, destacando que é preciso não permitir que quem está no poder volte ao cargo. "Não adianta mandar para o Congresso quem não pensa."

+ AO VIVO: Acompanhe os painéis do evento

Quem faz as leis não são os deputados, ressaltou Delfim, mas o funcionalismo do Congresso. Para o ex-ministro, uma burocracia se instalou em Brasília e quer sempre defender seus direitos, como fica claro na Previdência. A aposentadoria média do legislativo é 23 vezes maior que a do INSS. "Se você transmitir isso para a sociedade, vai mudar. Temos sido incapazes de fazer isso."

Ainda em sua participação no evento, o economista ressaltou que é preciso ter um sistema produtivo eficiente, apoiado no mercado. O ex-ministro ressaltou ainda a necessidade de ter um planejamento de longo prazo e que basta seguir o caminho que os cerca dos 30 países do mundo que deram certo no mundo percorreram. "Não precisa inventar nada", afirmou ele. "Sabemos hoje o que temos que fazer."

O primeiro painel do evento discutiu formas de melhorar a gestão pública e teve, além de Delfim Netto, a participação de Fábio Barbosa, presidente do Conselho do Centro de Liderança Pública, e de Ana Carla Abrão Costa, economista e sócia da Consultoria Oliver Wyman.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.