MARCOS DE PAULA/ESTADÃO
MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

Executivo vai do Planalto para o Porto do Açu

Com experiência na Casa Civil, Fazenda e Secretaria de Portos (SEP), o advogado Eduardo Xavier será diretor de Regulação e Sustentabilidade da Prumo Logística

O Estado de S.Paulo

02 Fevereiro 2015 | 02h04

Depois de mais de um ano à procura de um diretor de Regulação e Sustentabilidade, a Prumo Logística Global (ex-LLX), controladora do Porto do Açu (RJ), acertou a contratação de Eduardo Xavier para a vaga. O advogado de 35 anos é uma valiosa aquisição para a companhia não só por seu conhecimento técnico, mas pelo trânsito dentro do governo do PT. De 2008 para cá, Xavier já passou pela Casa Civil, pela Fazenda e pela Secretaria de Portos da Presidência da República (SEP).

Após cumprir seis meses de quarentena, ele fechou contrato com a Prumo na semana passada em uma visita ao Açu, onde foi ciceroneado pelo presidente da companhia Eduardo Parente. Xavier começa a dar expediente hoje na empresa.

"Estamos desenvolvendo um complexo portuário-industrial que exige uma série de interfaces com o Estado. É importante ter esse conhecimento dentro de casa", diz Parente.

A última passagem de Xavier pelo governo federal foi como secretário executivo da SEP (2013-2014), onde sua missão era ajudar a pôr nos trilhos o novo marco regulatório dos portos. Antes disso, o especialista em direito público e infraestrutura atuou por quase dois anos como secretário adjunto da Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, onde supervisionava as coordenações-gerais de logística e de indústrias de rede. "O Porto do Açu tem as externalidades positivas de um projeto público, é um polo de desenvolvimento. Vou poder contribuir para o País sob uma nova perspectiva", disse Xavier.

A primeira experiência no Planalto veio em 2008, na subchefia para Assuntos Jurídicos da Casa Civil da Presidência da República, à época sob o comando de Dilma Rousseff. Ali, Xavier coordenou o núcleo de infraestrutura e energia, acompanhando mudanças relativas à regulação do pré-sal, modais rodoviários, aeroportuário, portuário e ferroviário. Também teve experiência na Companhia São Paulo de Parcerias, vinculada à Prefeitura de São Paulo, na gestão Haddad. / M.D. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.