Executivos da PdVSA atacam venda de petróleo para Cuba

Os altos executivos da estatal venezuelana Petroleos de Venezuela SA (PdVSA) vão publicar brevemente uma carta em protesto contra a retomada das vendas de petróleo a Cuba, disse uma pessoa da empresa à agência Dow Jones. Os executivos recusam-se a aprovar o acordo porque acreditam que ele seja ilegal, pois não tem aprovação do Congresso, segundo a fonte. Como divulgado, o ministro do petróleo do país, Rafael Ramírez, disse que os embarques, suspensos em abril, iriam ser retomados esta semana porque Cuba havia concordado com uma nova agenda de pagamentos de dívidas de US$ 142 milhões. Os executivos da PdVSA suspenderam os embarques, que respondem por um terço do total das importações de petróleo de Cuba, durante os protestos de abril, que culminaram com o afastamento por dois dias do presidente Hugo Chávez. Observadores dizem que os executivos da PdVSA que são críticos de Chávez poderão usar a questão da retomada dos embarques para lançar uma nova paralisação, em conjunto com sindicatos trabalhistas e câmaras de negócios, cujos líderes têm dito que pode surgir daí uma greve de amplitude nacional, em outubro, com o objetivo de afastar Chávez permanentemente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.