Executivos do McDonalds visitam plantações na Amazônia

Um grupo de seis executivos do McDonalds da Europa visitaram Manaus no fim de semana e desde esta quarta-feira estão em Santarém (PA) em viagem de reconhecimento da floresta amazônica para verificar áreas onde a soja não é plantada de maneira sustentável. Segundo nota divulgada pela assessoria do grupo na Europa, a visita, com assessoria do Greenpeace, termina nesta quinta-feira no Pará e, ao final, deve ser preparado um relatório interno sobre a viagem.Em 2006, a rede decidiu não comprar frangos alimentados com soja plantada sobre áreas desmatadas da floresta amazônica. Na nota oficial, a rede se diz preocupada em usar apenas produtos de uso sustentável em seus restaurantes e a mesma medida tomada com a soja foi tomada para a compra de café de outros países, a partir deste ano.Segundo dados do Ministério da Agricultura, a Amazônia é responsável por cerca de 30% da soja produzida no País. Os maiores produtores de soja são Mato Grosso, Paraná, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. Na Amazônia, além do Mato Grosso, há produção de soja no Pará, Rondônia, Roraima, Maranhão e por último, correspondendo a menos de 2% da produção do País, no Amazonas.Dados da Comissão Pastoral da Terra indicam que 6% dos casos de trabalho escravo no Brasil estão relacionados ao cultivo de soja. Os conflitos de terra no Pará estão sempre relacionados ao cultivo da soja, feita principalmente nos municípios de Santarém e Belterra.No Amazonas, o grupo de executivos visitou a Estação Ecológica Mamirauá e outros pontos turísticos. O maior produtor de soja no Amazonas, o município de Itacoatiara, a 266 quilômetros de Manaus, não foi visitado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.