Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Executivos do setor petroleiro participam de feira no Rio

Começa nesta segunda-feira às 10 horas, no Riocentro no Rio de Janeiro, a 13ª edição da Rio Oil & Gas Expo and Conference, principal evento de petróleo e gás da América Latina, é realizada pelo Instituto Brasileiro do Petróleo (IBP) a cada dois anos na capital carioca.Até a próxima quinta-feira, os principais executivos do setor de petróleo de empresas com o Petrobras e PDVSA, além dos representantes regionais das gigantes Shell, Devon, Chevron, Exxon Mobill, Statoil, deverão se apresentar no evento, que será aberto pelo ministro de Minas e Energia, Silas Rondeau.Para este ano, a feira - que contribui diretamente desde 1982 para que o Rio seja conhecido como a capital do petróleo no país - tem como tema "Auto-suficiência do Brasil em petróleo: Uma nova era de oportunidades e Desafios". O tema foi escolhido pelo comitê organizador do evento em comemoração ao fato de a Petrobras ter alcançado esta meta em abril e agora enfrenta o desafio de acrescentar novas descobertas às suas reservas para manter o abastecimento nacional e aumentar sua produção, visando às exportações.Participações internacionaisDe olho na projeção internacional da Rio Oil & Gas, delegações estrangeiras prepararam para o evento deste ano um cardápio de atrações em seus estandes para aproximar os representantes de seus países de possíveis interlocutores para novos negócios no Brasil.A Noruega, por exemplo, ampliou seu pavilhão na feira, que em 2004 tinha 220 m2, para 400 m2, criando um segundo andar. Entre as principais empresas representadas neste estande está a gigante Statoil. Já o Comitê Britânico, pela terceira vez presente ao evento, trará 28 empresas e o ministro do Esporte, Richard Caborn, que já foi também Ministro do Comércio e Indústria (1999-2001), para inaugurar o estande na terça, com uma degustação de uísque escocês para convidados e uma apresentação de gaita de fole.Uma das principais expectativas para a semana de realização do evento, é o encontro paralelo entre executivos da Petrobras e da estatal venezuelana de petróleo, a PDVSA, que fazem uma segunda reunião técnica para discutir projetos comuns. Serão discutidos o plano de produção de gás em Mariscal Sucre, a exploração de campos maduros na Venezuela e ainda a parceria na refinaria Abreu de Lima, em Pernambuco, o campo de Caraboco I, em Orenoco, e o fornecimento de etanol do Brasil para a Venezuela.Em agosto, o presidente das duas empresas (Petrobras e PDVSA) emitiram nota conjunta, na qual informaram que havia uma idéia embrionária de se criar uma empresa mista para gerir o projeto, em que a PDV SA teria 65% e a Petrobras os outros 35%.Petrobras inova sua marca no eventoA Petrobras divulgou antecipadamente que a "inovação" será a sua marca no evento. "Para oferecer ao visitante a oportunidade de conhecer de perto a caminhada rumo a esta conquista, a Petrobras preparou a exposição "Auto-suficiência - uma caminhada de sucesso", que será um mergulho informativo e sensorial na história do petróleo", informou a empresa.Em sete ambientes que utilizam alta tecnologia e linguagem global, em um espaço multimídia, o público visitante tem a oportunidade de conhecer de perto a trajetória da empresa. Em cerca de 20 minutos, o visitante conhece as áreas: "Do Pioneirismo à Criação da Petrobras", "A Nascente de um Sonho nos Chãos da Bahia", "Ouro Negro no Fundo das Águas", "Do Azul do Mar a um Oceano Verde", "A Inovação Ampliando Horizontes", "A Petrobras que se Expande Para o Mundo" e "Um País Renovando Energias".Diferentes cenários percorrem a história do petróleo dos anos 50 (recuando até 1858, quando foram outorgadas as primeiras concessões para pesquisa na província da Bahia) até os dias de hoje. Em cada ambiente da exposição, há variações de temperatura, aromas e iluminação, proporcionando ao visitante uma experiência sensorial durante todo o percurso. A exposição "Auto-suficiência - uma caminhada de sucesso" está montada numa área de 524m2, que pode ser vista por grupos de, no máximo, 12 pessoas de cada vez. A Petrobras participa da Rio Oil & Gas desde sua primeira edição, em 1982. A exposição "Auto-suficiência - uma caminhada de sucesso" fica no Pavilhão 4 do Riocentro de 11 a 14 de setembro, das 12 às 20 horas, ao lado do estande da Petrobras. A curadoria é de Marcello Dantas, um das principais referências na convergência de tecnologia e arte no Brasil. O profissional vem atuando como produtor, criador, designer e curador de inúmeras iniciativas nesta área. Recentemente, desenvolveu em conjunto com o designer americano, Ralph Appelbaum, o Museu da Palavra em São Paulo.SebraeO Sebrae preparou um pacote para executivos de todo o país interessados em visitar a Rio Oil & Gas. Os estados de Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Minas Gerais, Bahia, Alagoas e São Paulo estão entre os que deverão enviar representantes ao evento. As ações têm como objetivo promover a inserção competitiva e sustentada das micro e pequenas empresas capixabas na cadeia produtiva do petróleo e gás.Além de participar de rodadas de negócios, o projeto inclui cursos de capacitação, atividades de acesso ao mercado, programas de certificação, consultoria e a elaboração de um diagnóstico de toda a cadeia produtiva, que será iniciado em setembro, pela Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip). Outro destaque da atuação do Sebrae é o ´escritório Avançado de Cadastramento de Fornecedores da Petrobras´, inaugurado em junho.Do Espírito Santo, dez empresários da cadeia produtiva de petróleo irão apresentar seus produtos e serviços em um estande, montado no Riocentro em parceria com o Governo de Estado. Já o estande do Sebrae de Minas Gerais vai expor produtos de 20 empresas que participam do Projeto Cadeia de Petróleo e Gás no Estado. Os empreendedores buscam, no evento, firmar ou iniciar sua atuação no setor.Outros vinte empresários participarão da feira por meio de uma missão. Outros 20 empresários de pequenos negócios e técnicos da Cadeia Produtiva do PVC, Petróleo, Gás e Energia de Alagoas também foram inscritos para o evento.Segundo Vanessa Rocha, gestora da Cadeia Produtiva do PVC, Petróleo, Gás e Energia em Alagoas, a participação em um evento desta grandeza permite ao empresário ampliar sua visão acerca do seu negócio, à medida que todas as inovações, tendências e oportunidades do setor estarão à disposição dos visitantes.Onip fortalece indústria nacionalA Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip) vai aproveitar a feira Rio Oil & Gas para tentar fortalecer a indústria nacional de fornecedores de equipamentos e serviços para o setor de petróleo. O objetivo é atrair a atenção não somente de compradores estrangeiros que estão investindo no Brasil, como também propiciar um elo entre as empresas brasileiras e outros países, visando à exportação. Para isso, a Onip vai promover uma rodada de negócios e dois encontros empresariais, o Brasil-Angola e o de Tecnologia.Na rodada de negócios participarão 24 empresas âncoras e estão previstas cerca de 700 reuniões durante os dias 12 e 13. Para este ano, a expectativa é superar os negócios firmados na feira de 2004, que fecharam em R$ 25 milhões. Já o Encontro Brasil-Angola visa aproximar os dois países para que sejam desenvolvidas ações conjuntas.Essa ação é fruto da parceria entre a Onip e o Programa de Desenvolvimento da Participação Nacional (PDPN) da Sonangol. A delegação angolana será composta por 18 empresas, e fornecedores brasileiros, que fazem parte do cadastro da organização. Outro projeto da Onip é o primeiro Encontro Tecnológico que visa ampliar as oportunidade de negócios e a participação das empresas nacionais. Dele vão participar 40 fornecedoras brasileiras de soluções tecnológicas. Ao contrário da rodada, o espaço tem como objetivo atrair as empresas interessadas nos produtos e serviços que estarão expostos no evento.Exposições na Rio OilA exposição da Rio Oil & Gas contará com 420 expositores, representando 19 países, distribuídos em cinco pavilhões do Riocentro, numa área de 29 mil metros quadrados. Já a conferência, deve se consolidar como o maior painel de discussões sobre o setor de petróleo na América Latina. Serão painéis diários (divididos em cinco blocos de temas: E&P, Abastecimento, Gás Natural, Responsabilidade Sócio-Ambiental e Planejamento Energético) ocorrendo simultaneamente, sempre a partir das 15h30, e 959 sinopses de trabalhos técnicos, pesquisas e estudos, apresentados por renomadas instituições de ensino.Os encerramentos de cada dia de trabalho também reservam informações de peso. Durante o primeiro dia de evento o representante da Gazprom vai falar na sessão plenária, na terça, o diretor geral da Repsol YPF para Argentina Brasil e Bolívia, quarta é a vez do presidente da PDVSA e quinta, o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, que participa também da abertura do evento.Além do Brasil a conferência registrou o recebimento de sinopses vindas da Alemanha, Argentina, Bolívia, Canadá, Colômbia, Cuba, Dinamarca, Equador, Estados Unidos, França, Holanda, Irã, Itália, Líbia, México, Noruega, Peru, Reino Unido e Venezuela. No total, segundo a organização do evento, serão 2.250 profissionais com participação na autoria destes trabalhos.Também segundo o IBP, 12 mil pessoas já se inscreveram para participar da Rio Oil & Gas como visitantes e outros 500 estudantes universitários de todo o País estão inscritos para as visitas guiadas. A expectativa dos organizadores é dobrar o número de visitantes da edição passada, que atingiu a 40 mil pessoas.LançamentosO evento tornou-se palco de lançamento de outras feiras do setor. É o caso da Feippetro (Feira de Soluções para as Indústrias dos Segmentos de Petróleo, Plástico, Gás, Petroquímica, Papel e Celulose, Automobilístico e Meio Ambiente), que terá sua segunda edição em outubro em Salvador; e ainda da Niterói Fenashore 2007, reedição do evento realizado pela primeira vez no ano passado pela Prefeitura de Niterói, pelo Instituo Brasileiro de Petróleo e Gás e pelo Niterói Polotec.Segundo os organizadores destes eventos, a intenção é aproveitar o espaço da feira no Rio para divulgar a de Niterói e atingir a meta de reunir mais de 200 expositores, dobrando a quantidade do ano passado, que foi de 108 num espaço de mil metros quadrados. Até o momento, todas as empresas de tecnologia naval e off-shore de Niterói já reservaram espaço.A Niterói Fenashore 2005 gerou negócios na ordem de US$ 600 milhões, gerando 16 mil empregos diretos e 18 mil indiretos. Dos expositores, 89 foram do Rio de Janeiro e 19 de outros estados.Já a Coope (Coordenação de Pesquisas de Pós Graduação em Engenharia da UFRJ) vai apresentar suas mais recentes pesquisas e projetos voltados para a área de energia. Atualmente, dos mil projetos que estão em andamento na instituição, 50% são voltados para o segmento de petróleo.Para mostrar o que de mais avançado vem sendo desenvolvido em ternos de tecnologia no Brasil sobre o tema, a COPPE instalou dois ambientes multimídia no estande do evento. Em um o visitante vai poder conhecer as principais linhas de pesquisa e projetos em andamento na instituição. No segundo ambiente, o público poderá se divertir explorando mar e floresta em ambientes tridimensionais, com técnicas de realidade virtual. As imagens destacam dois grandes projetos em curso na instituição.

Agencia Estado,

11 de setembro de 2006 | 08h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.