Executivos doam dinheiro e tempo

Com os ventos favoráveis no mercado financeiro internacional, os fundos de private equity nunca lucraram tanto. E junto com os lucros, vem a consciência da responsabilidade social.Recentemente, oito dos maiores fundos britânicos se reuniram para formar a Fundação de Private Equity. Mas os recursos arrecadados - R$ 17,9 milhões (5 milhões de libras) - deixaram a desejar diante do tamanho do lucro da indústria e eles foram alvo de críticas. "Poderiam ter arrecadado mais, mas a intenção é boa", diz Daniela Barone Soares, presidente da Impetus Trust. Um dos destinos do investimento da FPE é justamente o Impetus. Mas não é só dinheiro que as instituições financeiras doam. Os executivos também doam tempo. A Impetus conta com 80 experts associados, dos quais 11 prestam consultoria regularmente. No Brasil, existem algumas experiências isoladas de investimento institucional, mas nenhuma que incorpore ao pé da letra os processos e métodos de gestão do setor privado, como fazem fundos de venture philantropy como o Impetus. "O investimento institucional está indo para as entidades que têm uma história consolidada, não são novas organizações, ninguém está tomando risco", explica Marcos Kisil, presidente do Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, consultoria que ajuda fundações empresariais, famílias e indivíduos a realizarem investimentos sociais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.