Expansão dos EUA no 1º trimestre é revisada para 1%

Fortes ganhos no consumo e nas exportações impulsionaram o PIB do país; estimativa anterior era de 0,9%

Agência Estado,

26 de junho de 2008 | 09h39

Fortes ganhos no consumo e nas exportações impulsionaram o Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA no primeiro trimestre, segundo revisão final do Departamento de Comércio. O PIB cresceu 1%, em termos anuais, acima da estimativa anterior de aumento de 0,9%. A revisão ficou em linha com o esperado por economistas. Veja também:Juro americano é mantido em 2% ao anoComportamento das taxas norte-americanas Entenda os efeitos da crise nos Estados Unidos  Os gastos dos consumidores no primeiro trimestre, que representam cerca de 70% do PIB, foram revisados levemente para cima, para alta de 1,1%, com fortes ganhos nos gastos com serviços compensando os declínios nas compras de bens duráveis e não-duráveis. As exportações cresceram 5,4% em termos anuais no primeiro trimestre, contribuindo em 0,66 ponto porcentual para a alta do PIB. As medidas de inflação com base nos gastos pessoais foram revisadas levemente para cima. O núcleo do índice de preços de gastos com consumo (PCE), que exclui alimentos e energia, subiu 2,3% no primeiro trimestre. No quarto trimestre do ano passado, o crescimento do PIB dos EUA foi de 0,6%. Em 2007, a expansão da economia americana foi de 2,2%, a menor taxa anual desde 2002. Setores Já os lucros corporativos após impostos caíram 7,8%, um declínio bem maior que o estimado anteriormente. Segundo o Departamento de Comércio, os lucros ficaram 3,6% abaixo dos níveis de um ano atrás no primeiro trimestre. O setor imobiliário tirou boa parte do crescimento do PIB. O investimento fixo residencial despencou 24,6%, embora esse dado tenha sido revisado levemente para cima. O declínio cortou mais de 1,1 ponto porcentual do crescimento do PIB. Os gastos empresariais, por sua vez, foram revisados para cima, para um leve aumento de 0,6%. O investimento em estruturas subiu 1,2%, enquanto as despesas com equipamentos e softwares cresceu 0,2%. Os estoques caíram US$ 19,6 bilhões no primeiro trimestre, queda levemente maior que o estimado anteriormente. As vendas reais finais de produtos domésticos, que é o PIB menos a mudança nos estoques privados, cresceram 0,9%, revisadas levemente para cima. Os gastos do governo federal aumentaram 4,3% nos primeiros três meses do ano, em revisão para baixo. As despesas dos governos locais e estaduais foram revisadas para cima, para alta de 0,8%. As informações são da Agência Dow Jones. 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAdesemprego

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.