Expansão dos EUA no 4º trimestre de 2009 ficou abaixo da previsão

Expansão dos EUA no 4º trimestre de 2009 ficou abaixo da previsão

PIB cresceu a uma taxa anualizada de 5,6%, mas o Departamento de Comércio havia estimado uma taxa de 5,9%

DOW JONES NEWSWIRES, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2010 | 00h00

O crescimento da economia americana no fim do ano passado foi menor do que o governo estimou anteriormente, refletindo revisão em baixa dos gastos com consumo e do investimento das empresas.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu à taxa anualizada de 5,6% entre outubro e dezembro, informou o Departamento do Comércio, na revisão final do dado. Há um mês, o Departamento do Comércio havia informado expansão de 5,9% do PIB no período.

Na primeira estimativa, o governo calculou crescimento de 5,7% da economia no quarto trimestre. Economistas ouvidos pela Dow Jones esperavam que, na revisão final, o PIB mostraria crescimento de 5,8%.

Os gastos com consumo subiram 1,6% no quarto trimestre, dado revisado em baixa após estimativa anterior de aumento de 1,7%. Os investimentos das empresas foram revisados em baixa, para alta de 5,3%, de 6,5% estimados anteriormente.

As exportações subiram 22,8% no quarto trimestre e as importações avançaram 15,8%. O setor imobiliário deu uma pequena contribuição ao PIB: os investimentos residenciais fixos subiram 3,8% no trimestre.

De modo geral, o crescimento no quarto trimestre de 2009 foi sustentado por uma forte desaceleração na liquidação dos estoques. As empresas reduziram seus estoques em US$ 19,7 bilhões no quarto trimestre, após se desfazerem de US$ 139,2 bilhões em estoques no terceiro trimestre e de US$ 160,2 bilhões no segundo trimestre.

As vendas reais finais, que correspondem ao PIB subtraído dos estoques, subiram 1,7% no quarto trimestre, abaixo da estimativa anterior de ganho de 1,9%.

Inflação. O índice de preços para gastos com consumo pessoal (PCE), uma das medidas da inflação americana, subiu 2,5% no quarto trimestre. Na revisão anterior, o índice havia subido 2,3%. A revisão em alta reflete o aumento nos preços dos serviços financeiros, de seguros e dos serviços de saúde. O núcleo do PCE, que exclui alimentos e energia, subiu 1,8%, segundo a revisão final, acima do cálculo anterior de aumento de 1,6%.

O índice de preços para compras brutas domésticas, que avalia os preços pagos pelos residentes americanos, subiu 2% no quarto trimestre, acima da previsão anterior de alta de 1,9%. O índice de preços em cadeia do PIB avançou 0,5%; anteriormente, o Departamento do Comércio havia estimado alta de 0,4%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.