Expectativa de crescimento do setor é de 4,5%

O aumento do endividamento das famílias e a queda na confiança do consumidor, registrada nos últimos meses, provocou a desaceleração nas taxas de crescimento das vendas de materiais de construção no varejo. O ano começou com a expectativa de crescimento de 6,5% nas vendas em relação a 2012 e agora está em 4,5%, de acordo com a Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção.

MÁRCIA DE CHIARA, Agencia Estado

29 de setembro de 2013 | 17h40

Também a Telhanorte reduziu as projeções de crescimento: começou 2014 acreditando que iria ampliar em 10% as vendas deste ano, mas cortou essa taxa para 8%. No ano passado, a empresa faturou R$ 1,6 bilhão, segundo o Ibevar.

A companhia é controlada pelo grupo francês Saint-Gobain que faturou no mundo 43 bilhões de euros em 2013. Quase a metade deste valor veio do varejo materiais de construção, com a liderança nas vendas do setor na Europa.

A Telhanorte não dá detalhes sobre o desempenho no Brasil e limita-se a informar que o País é um dos mercados prioritários pelo potencial de consumo. Nos cálculos do Ibope Inteligência, o setor deve movimentar R$ 119,2 bilhões este ano. Existem 138 mil lojas no País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.