Expectativa de empresários é a pior desde 2000, mostra FGV

Os resultados parciais da Sondagem Conjuntural da Indústria de Transformação, elaborada pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre-FGV), mostram que, de forma geral, o cenário das empresas para os próximos meses é o pior dos últimos três anos. Dos 360 empresários entrevistados, 45% acham que a situação dos negócios está fraca, enquanto apenas 12% a consideram boa ? são os empresários ligados a exportações e ao agronegócio, sobretudo. A diferença de 33 pontos percentuais entre as duas opiniões é a pior desde o início do ano 2000.A situação ligada ao emprego também está longe de ser positiva. Enquanto, no trimestre abril/junho, 16% das empresas cogitavam demitir funcionários, o número cresceu para 27% na atual pesquisa, o que dá um quadro das expectativas para o terceiro trimestre do ano.A previsão de desempenho dos negócios para o segundo semestre também vem se deteriorando ao longo do ano. No primeiro trimestre de 2003, ainda animados pelo início do governo Luiz Inácio Lula da Silva, apenas 6% dos empresários achavam que a situação pioraria. Na sondagem seguinte, referente ao período abril/setembro de 2003, o percentual subiu para 12%. Na atual pesquisa, o número de empresários que considera que a situação piorará no segundo semestre deste ano subiu para 21%.Há uma boa notícia. Do total de entrevistados, 21% pretendem elevar os preços de seus produtos, enquanto 18% acreditam que vão reduzi-los. "A diferença entre as empresas que pretendem reajustar os preços e as que pretendem cortá-los é de apenas 3 pontos percentuais, a menor da década", afirmou o professor Aloísio Campelo, economista do Ibre e responsável pela apresentação da pesquisa em São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.