Expectativa de inflação para este ano cai

As projeções do mercado financeiro para a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) 2006 caíram de 3,73% para 3,68%, segundo apontou a pesquisa semanal do Banco Central nesta segunda-feira. Foi a segunda queda consecutiva da previsão, que estava em 3,74% há quatro semanas. Com o novo recuo, as previsões de IPCA para este ano ficaram ainda distantes do centro da meta de 4,50% fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).A pesquisa geral leva em conta projeções de cerca de cem instituições financeiras. Na pesquisa mais seletiva, que apura as estimativas das cinco instituições que mais acertam suas estimativas, a aposta para o IPCA para este ano seguiram tendência inversa e subiram de 3,56% para 3,57%. Há quatro semanas essas previsões estavam em 3,53%. Para 2007, as expectativas de mercado quanto a variação do IPCA permaneceram estáveis em 4,50% pela 54ª semana consecutiva. Para este mês de agosto, as estimativas de IPCA recuaram na pesquisa do BC de 0,30% para 0,24%. Para setembro, a projeção caiu de 0,33% para 0,30%. As projeções do mercado financeiro para a variação do IGP-DI neste ano caíram de 3,5% para 3,46%. Para 2007, as estimativas para o indicador continuaram estáveis em 4,50%. As estimativas de IGP-M neste ano, por sua vez, ficaram estáveis em 3,53%. Para o próximo ano, a previsão prosseguiu em 4,50%.SelicSem alterações significativas quanto à inflação, as apostas para a taxa básica de juros, a Selic (atualmente em 14,75%), também não foram alteradas. Para este mês, a Selic esperada é de 14,50%; para o fim do ano, de 14%; para a taxa média deste ano, de 15,28%; para o final de 2007, de 13%; e para a taxa média ao longo de 2007, de 13,5%. A estabilidade interrompeu uma seqüência de quatro semanas seguidas de queda destas projeções do mercado.DívidaAs projeções do mercado financeiro para a dívida líquida do setor público neste ano ficaram estáveis em 50,30% do Produto Interno Bruto (PIB). Há quatro semanas, estas previsões estavam em 50,50% do PIB. Para 2007, as previsões de mercado para a dívida líquida ficaram estáveis em 49,10% do PIB. Há quatro semanas, estas previsões estavam em 49,20% do PIB. PIBInterrompendo uma seqüência de 19 semanas seguidas de estabilidade, as projeções do mercado financeiro para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2007 caíram de 3,70% para 3,50%. As previsões de expansão da produção industrial no próximo ano, em contrapartida, ficaram estáveis em 4,50% pela 21º semana consecutiva. Para este ano, as estimativas de aumento do PIB recuaram de 3,53% para 3,50%. Esta foi a terceira queda seguida destas previsões, que estavam em 3,60% há quatro semanas. As projeções de crescimento da produção industrial neste ano também recuaram e passaram de 4% para 3,97%. Há quatro semanas, estas previsões estavam em 4,15%. CâmbioA taxa de câmbio sofreu a terceira queda consecutiva no fim deste mês, de R$ 2,16 para R$ 2,15. As estimativas estavam em R$ 2,19 há quatro semanas. Para o final de setembro próximo, as expectativas de mercado para a taxa de câmbio recuaram de R$ 2,18 para R$ 2,17. Esta também foi a terceira queda seguida destas previsões, que estavam em R$ 2,20 há quatro semanas. Para o final do ano, as projeções de câmbio seguiram estáveis em R$ 2,20 pela terceira semana consecutiva. Há quatro semanas, estas previsões estavam em R$ 2,23. As projeções de taxa média de câmbio para este ano também não mudaram e continuaram em R$ 2,19 pela terceira semana seguida. Há quatro semanas, estas projeções estavam em R$ 2,20. Para o final de 2007, as estimativas de mercado para a taxa de câmbio continuaram em R$ 2,30 pela segunda semana consecutiva. Há quatro semanas, estas projeções estavam em R$ 2,35. As estimativas de taxa média de câmbio para o próximo ano também não se alteraram e prosseguiram em R$ 2,28 pela quarta semana seguida. Investimento EstrangeiroAs projeções do mercado financeiro para o fluxo de investimento estrangeiro direto (IED) neste ano ficaram estáveis em US$ 16 bilhões. Há quatro semanas, estas previsões estavam em US$ 15 bilhões. Apesar do aumento, o valor esperado ainda é menor que os US$ 18 bilhões projetados pelo próprio BC. Para 2007, as estimativas de fluxo de IED continuaram estáveis em US$ 16 bilhões pela 10º semana consecutiva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.