Expectativa de redução do juro cresce no mercado

Pesquisa do BC reduz previsão da Selic para 12,25% no fim de 2009; projeção de alta do PIB cai para 2,4%

Fabíola Salvador, O Estadao de S.Paulo

22 de dezembro de 2008 | 00h00

Com o agravamento da crise financeira internacional, que reduziu a oferta de crédito na economia, cresceu a percepção de que o Banco Central (BC) vai adotar uma política mais agressiva de corte dos juros básicos. Na pesquisa Focus divulgada ontem pelo Banco Central (BC), feita com cerca de 80 analistas do mercado financeiro, a projeção para a taxa de juros no fim de 2009 caiu para 12,25% ao ano. Foi a terceira queda consecutiva das projeções. Na semana passada, a pesquisa indicava juro de 13%. Há quatro semanas, a projeção era de juro de 13,31%. No começo do mês, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu por unanimidade pela manutenção da taxa Selic em 13,75% ao ano. Na pesquisa Focus divulgada ontem, a taxa média de juro para 2009 foi reduzida de 13,44% para 12,81%, abaixo dos 13,75% projetados há quatro semanas. O mercado novamente reduziu a previsão de crescimento do País para 2,4% em 2009, ante 2,5% na semana passada. Na mesma pesquisa, o mercado financeiro elevou de R$ 2,20 para R$ 2,25 a taxa de câmbio média para 2009, ante R$ 2,08 há quatro semanas. Para o fim do próximo ano, foi mantida a previsão de R$ 2,20, ante R$ 2,10 há um mês. Para a cotação média de 2008, a projeção para a taxa de câmbio ficou em R$ 1,83, ante projeção de R$ 1,82 na semana passada e de R$ 1,80 há um mês. O relatório Focus também indicou redução de 5,2% para 5,02% na expectativa para o índice oficial de inflação em 2009. Há quatro semanas, a expectativa para o IPCA era de 5,2%. No penúltimo relatório divulgado este ano, o mercado financeiro reduziu o IPCA para 2008 de 6,13% para 6,03%. Há quatro semanas, a previsão era de IPCA de 6,39% em 2008. No grupo das instituições financeiras que mais acertam as projeções colhidas semanalmente pelo BC, o chamado Top 5, no cenário de médio prazo, a mediana das estimativas para o IPCA em 2009 caiu de 4,80% para 4,70%. Com essa redução significativa, o número esperado passa a ser menor que o visto há quatro semanas, quando estava em 5,06%. Para 2008, os analistas reduziram o IPCA para 6,01%, ante os 6,24% de um mês atrás.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.