Expectativas com Grécia mantêm bolsas da Europa e euro sob pressão

Londres tem leve alta, de 0,18%, enquanto Paris (-0,05%) e Frankfurt (-0,12%) operam em baixa 

Danielle Chaves, da Agência Estado,

22 de fevereiro de 2010 | 08h05

As preocupações com a crise de dívida de países da Europa continuam pesando sobre o sentimento do mercado europeu nesta segunda-feira. A questão de uma possível emissão de bônus pela Grécia deverá estar no centro das atenções nesta semana, enquanto as conversas deverão girar em torno de soluções alternativas para os problemas do país.

 

"Uma operação bem sucedida poderia aumentar a confiança de que a Grécia possa ao menos atender suas necessidades de financiamento de curto prazo", afirmou Jim Reid, estrategista do Deutsche Bank.

 

No campo corporativo, notícias de algumas blue chips europeias são suporte ao sentimento. No Reino Unido, a Bunzl elevou seu dividendo em 5% depois de anunciar receita e lucro mais altos em 2009. Na Holanda, a Philips Electronics lançou novas metas de sustentabilidade para 2015 e previu que 50% das vendas totais corresponderão a produtos verdes naquele ano. As ações da Bunzl subiam 3,8% e as da Philips Electronics avançavam 1,7%.

 

Na sexta-feira as bolsas apresentaram queda depois de o banco central dos EUA, o Federal Reserve, ter anunciado na quinta-feira à noite uma elevação da taxa de redesconto em 0,25 ponto porcentual. Mas o mercado se recuperou no fim do dia conforme os investidores passaram a interpretar o movimento como um voto de confiança na força do banco e na recuperação econômica.

 

Às 8h (de Brasília), o índice FT-100 de Londres subia 0,18%, o CAC-40 de Paris caía 0,05% e o DAX de Frankfurt cedia 0,12%.

 

No mercado de câmbio, o euro atingiu a máxima das últimas duas semanas diante do iene durante o pregão asiático hoje, a 125,24 ienes, à medida que uma alta das bolsas da Ásia encorajou fundos de hedge dos EUA a comprarem ativos sensíveis ao risco, de acordo com operadores. Ele acrescentaram que o euro tem mais espaço para subir nesta semana.

 

No entanto, às 8h, o euro voltava a cair e operava a US$ 1,3611, de US$ 1,3613 na tarde de sexta-feira, e a 124,23 ienes, de 124,64 ienes. Enquanto isso, o dólar caía para 91,28 ienes, de 91,65 ienes na sexta-feira.

 

Conforme o dólar voltava a subir diante do euro, o petróleo perdia parte dos ganhos obtidos durante o pregão asiático. Às 8h, os contatos de petróleo WTI para março negociados na Comex subiam 0,18%, para US$ 79,95 por barril, depois de terem superado US$ 80 por barril mais cedo. Entre os metais, o ouro à vista subia 0,29%, para US$ 1.122,40 por onça-troy, e o cobre para maio caía 0,92% na Comex, para US$ 3,3480 por libra-peso. As informações são da Dow Jones

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.