finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Expectativas indicam desaceleração do crescimento na AL

Piora nas projeções para os próximos meses já afeta negativamente o ambiente econômico da região

Renato Andrade, da Reuters,

21 de novembro de 2007 | 09h52

As expectativas sobre o crescimento econômico na América Latina para os próximos meses pioraram em outubro, de acordo com levantamento elaborado pelo instituto alemão IFO e a Fundação Getúlio Vargas (FGV).  "A situação econômica atual continua sendo avaliada de forma bastante favorável por especialistas da região, mas a deterioração das expectativas em relação aos próximos meses já começa a afetar negativamente o ambiente econômico na América Latina", informaram o IFO e a FGV em comunicado publicado nesta quarta-feira.  Em outubro, o Índice da Situação Atual (ISA) ficou em 6,4 pontos, enquanto o índice de expectativas caiu de 5,4 para 4,7 pontos, mesmo patamar registrado em julho de 2005, ambos os menores desde outubro de 2001.  "Diferentemente do que ocorre nos Estados Unidos e na Europa onde, em outubro, as avaliações sobre a situação atual já apresentaram sinais de piora, o recuo do índice na América Latina deve-se exclusivamente à disseminação de uma visão mais pessimista entre os especialistas em relação aos próximos meses", mostra o levantamento.  Entre os fatores que colaboraram para a perda de confiança no desempenho de curto prazo das economias latinas estão a expectativa de desaceleração dos Estados Unidos, por conta da crise no mercado de crédito imobiliário, e os preços elevados do petróleo, que se aproxima do patamar histórico de US$ 100 por barril.  A sondagem econômica da América Latina serve ao monitoramento e antecipação de tendências econômicas. A pesquisa é feita com base em informações prestadas por especialistas de cada país da região trimestralmente. Para a edição de outubro, foram consultados 117 especialistas em 15 países.  Entre os principais países da América Latina, a piora do clima econômico foi mais acentuada no Brasil, México e Chile. No Brasil, as avaliações sobre o presente e as previsões em relação aos próximos meses ficaram menos favoráveis do que as realizadas em julho.  "Mas o índice de clima econômico de 6,5 pontos reflete um clima econômico ainda bom para os negócios e as expectativas em relação aos investimentos produtivos continuam otimistas para os próximos meses".

Tudo o que sabemos sobre:
América Latina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.