Expert XP ESG 2021 começa nesta terça; veja os destaques da programação
Conteúdo Patrocinado

Expert XP ESG 2021 começa nesta terça; veja os destaques da programação

XP Investimentos quer que clientes sejam agentes da mudança rumo a um mundo melhor; agenda vai de 2 a 5 de março

XP Investimentos, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

02 de março de 2021 | 14h44

Se você é um investidor e quer saber mais sobre como a sustentabilidade é a nova diretriz desse universo, chegou a oportunidade.

A Expert XP ESG começa nesta terça-feira, 2 de março. O evento vai falar exclusivamente sobre o tema ESG, sigla para Environmental, Social and Governance (ambiental, social e governança, em português), e sustentabilidade aplicada a negócios e investimentos. A programação se estende até sexta-feira, 5.

“Nosso grande objetivo é promover o debate e conscientizar nossos parceiros e clientes sobre sua responsabilidade e seu potencial como agentes da mudança, promovendo investimentos que capitalizem as transformações para um mundo melhor”, afirma Helena Masullo, head de Estratégia ESG da XP Investimentos.

A proposta é ajudar os investidores a entender cada um dos fatores ESG e como esses conceitos se traduzem em aportes financeiros.

Na prática, cada um dos três primeiros dias será dedicado a um pilar da sustentabilidade. O último dia da programação será o momento de amarrar as pontas e entender mais sobre investimento sustentável, com exemplos vindos de gestores e pioneiros nos temas.

“Fizemos uma curadoria de especialistas nacionais e internacionais para trazer uma visão completa sobre as três letras que envolvem o conceito ESG e como elas se conectam com o mundo dos investimentos”, complementa Helena.

Entre os grandes nomes está John Elkington, o pai da sustentabilidade corporativa. É dele a criação, ainda nos anos 1990, do tripé “pessoas, planeta e lucro”, precursor de inúmeras iniciativas no meio empresarial. Outro destaque é o escritor e filósofo Yuval Harari, autor dos best-sellers ‘Sapiens’ e ‘21 lições pro século 21’. Ele é conhecido pelos seus ensaios sobre o passado da humanidade, os porquês do presente e os riscos e os potenciais da tecnologia no futuro.

O evento é 100% online e gratuito. E, como sustentabilidade inclui acessibilidade, haverá tradução simultânea dos palestrantes internacionais e em libras.

Abaixo, os destaques da agenda:

Terça, dia 2: a pauta é ‘meio ambiente’

O primeiro painel vai explicar o que é emergência climática. Quem fala é Carlos Nobre, especialista brasileiro em mudanças climáticas e em seus efeitos na Amazônia, que apresentará uma visão sobre os pontos mais críticos e seus efeitos nos investimentos. Nobre fala às 11h15.

As regulações que estão sendo feitas e o ritmo da agenda verde das empresas e do mercado financeiro no País também estão na pauta. O painel ‘O papel dos reguladores no avanço da agenda verde’ terá a participação de porta-vozes da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), do Banco Central e do governo britânico, que tem se destacado pela pressão feita para que empresas sejam cada vez mais sustentáveis. Eles falam às 13h.

Para reforçar que sustentabilidade é, sim, oportunidade de negócio e geração de valor, a XP convidou representantes de empresas como Wickbold, Osklen e Pantys. Natura irá falar, junto do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) e do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), sobre a Amazônia.

John Elkington chega no final do dia. Às 18h, ele vai falar sobre o capitalismo regenerativo e a importância de inovar para sobreviver, assunto do livro ‘Cisnes verdes’, de sua autoria.

Por fim, às 19h, é hora de pensar o mundo pós-coronavírus junto a Yuval Harari. Conhecido pelos estudos e ensaios sobre os dilemas da humanidade ao longo do tempo, ele tem feito reflexões importantes sobre as mudanças impostas pela pandemia. 

Quarta, dia 3: a pauta é ‘social’

A americana Jean Case fala sobre a importância da tomada de risco, da filantropia e do investimento em iniciativas que de fato provoquem uma transformação social positiva. Ela fala sobre suas teses e seu trabalho à frente da Fundação Case e da National Geographic Society às 11h15.

Mais lideranças femininas e inclusão entre os funcionários importa, e tem gente que já faz isso bem feito no Brasil. Apresentam seus cases Tânia Cosentino, da Microsoft; Luiza Trajano, presidente do Conselho da Magazine Luiza; e Rachel Maia, da RM Consulting e conselheira do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

Depois de um 2020 em que as doações para entidades sociais bateram recordes, a Expert XP ESG vai discutir filantropia corporativa. Falam Eduardo Lyra, da Gerando Falcões; Jean Jereissati, CEO da Ambev; e Paula Fabiani, referência no assunto e diretora-presidente do Instituto para Desenvolvimento do Investimento Social (Idis).

Quinta, dia 4: a pauta é ‘governança’

Já ouviu falar no movimento capitalismo consciente? O fundador Raj Sisodia explica o conceito, os detalhes e os porquês do que aos poucos se consolida como uma das diretrizes do mundo corporativo.

Mas mesmo com agenda pró-sustentabilidade em aceleração, há lideranças que ainda relutam em adaptar seus negócios. A empresária Halla Tomasdottir, CEO do B Team, que fomenta a ideia de negócios responsáveis, trará insights sobre como quebrar esse ciclo. O painel é às 12h05. 

A sustentabilidade e os negócios responsáveis também são coisa de companhias globais. Guilherme Leal, presidente do Conselho do grupo Natura&Co, e Paul Polman, ex-CEO da Unilever, conversam sobre experiências à frente de grandes companhias com uma agenda verde e responsável bem estruturada.

Sexta, dia 5: hora da prática

Quem abre a programação do último dia é Fiona Reynolds, CEO do Principles for Responsible Investments (PRI). Ela vai explicar exatamente o que significa um investimento ESG no mundo financeiro, e como o PRI está influenciando esse universo.

Na sequência, representantes de gestoras brasileiras e internacionais, que já seguem critérios sustentáveis, falam sobre a análise de crédito e ações.

“Primo” do ESG, o investimento de impacto social também está crescendo, lá fora e aqui. Quem explica o conceito, as nuances e as diferenças é Amit Bouri, CEO da Rede Global para Investimento de Impacto (GIIN, em inglês), às 15h15. E é seguido por uma conversa entre representantes de quatro gestoras de fundos de impacto no Brasil: Vox Capital, Mov Investimentos, Positive Ventures e GEF Capital.

Para encerrar a programação, o fundador de uma gestora pioneira em investimento de impacto e ESG. Colin Le Duc, da Generation Investment Management, conta sua experiência e visão para os próximos anos no setor.  

Confira a agenda completa aqui.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.