Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Explosão em fábrica da Foxconn deixa 2 mortos

Outras 16 pessoas ficaram feridas em uma das unidades chinesas da maior fabricante de eletrônicos do mundo, que planeja vir para o Brasil

Cláudia Trevisan, O Estado de S.Paulo

21 de maio de 2011 | 00h00

Pelo menos duas pessoas morreram e 16 ficaram feridas em explosão ocorrida ontem na fábrica da Foxconn na cidade de Chengdu, no centro da China, onde é produzido o iPad 2 da Apple, entre outros itens. De capital taiwanês, a empresa anunciou no mês passado a intenção de investir US$ 12 bilhões no Brasil em uma megaunidade para fabricação de telas digitais de celulares, tablets, laptops e TVs de alta definição.

A explosão ocorreu por volta das 19h20 de ontem e o incêndio provocado por ela havia sido controlado no fim da noite. Segundo o China News Service, fontes da polícia local disseram que a explosão não foi intencional.

O porta-voz da Foxconn, Edmund Ding, disse que a produção será suspensa enquanto durar a investigação sobre as causas do acidente. Não estava claro ontem o impacto econômico da explosão nem seu efeito sobre a produção do iPad 2.

Inaugurada em outubro, a fábrica envolveu investimentos de US$ 2 bilhões e é resultado da estratégia da empresa de transferir parte de suas linhas de montagem da cidade de Shenzhen, no sudeste da China, para regiões do interior onde o custo da mão de obra é mais baixo.

Maior fabricante de eletrônicos do mundo, a empresa tem cerca de 900 mil operários na China e de suas linhas de montagem saem produtos com quase todas as marcas globais desse segmento. Além da Apple, a Foxconn tem entre seus clientes Dell, Hewlett-Packard, Nokia, Microsoft, Sony e Amazon.

No ano passado, a Foxconn enfrentou uma onda de suicídios, que provocou a morte de 13 de seus empregados na fábrica de Shenzhen, onde trabalham e vivem mais de 300 mil pessoas.

Os incidentes colocaram em xeque as condições de trabalho da empresa taiwanesa, que reagiu com aumentos de salários e a colocação de redes de proteção nas janelas dos dormitórios onde vivem seus funcionários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.