Exportação das siderúrgicas cresce 28%

As vendas externas das cinco principais exportadoras brasileiras de produtos siderúrgicos ? Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST), Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), Companhia Siderúrgica Paulista (Cosipa), Confab Industrial e Açominas ? cresceram 28,7% em 2002. As exportações destas empresas juntas somaram US$ 1,946 bilhão no ano passado, ante US$ 1,511 bilhão de 2001. As informações são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério do Desenvolvimento.A CST, principal exportadora brasileira de placas e responsável pelo maior volume de vendas do setor, fechou 2002 com crescimento de 6,12% nas vendas externas, que totalizaram US$ 828,548 milhões. A empresa fechou o ano em sétimo lugar na lista dos maior es exportadores brasileiros. Atualmente cerca de 60% das exportações da CST seguem para a América do Norte. A Ásia é o segundo principal parceiro da empresa, absorvendo em torno de 29% das vendas da companhia, seguida pela Europa, com cerca de 11%. A CSN foi a segunda maior exportadora de produtos siderúrgicos em 2002 e 20ª no ranking dos maiores exportadores do País ? um avanço significativo, já que no ano anterior a empresa ocupou a 40ª posição. A empresa vendeu US$ 377,988 milhões ao mercado externo no ano passado, com crescimento de 83,16% sobre 2001. A empresa, que vende para mais de 60 países, tem a América Latina como principal mercado.A Cosipa, terceira maior exportadora brasileira do setor, foi a siderúrgica que registrou maior crescimento nas vendas externas em 2002, de 85,54%. A empresa exportou US$ 250,155 milhões no ano passado, ante vendas de US$ 134,752 milhões de 2001. A siderúrgica fechou o ano como a 38º maior exportadora do País. A América do Norte responde por cerca de 45% das vendas, seguida pela Ásia, com cerca de 38% e América do Sul, com cerca de 9%. A quarta maior exportadora do setor foi a Confab, que também ocupou a 40ª posição no ranking nacional. A empresa, que fabrica tubos de aço, exportou US$ 245,157 milhões, com crescimento de 47,45% sobre o ano anterior. As exportações responderam por cerca de 45% da carteira de pedidos da empresa, que atende principalmente o mercado de petróleo, gás e saneamento, entre outros segmentos. A Açominas exportou US$ 244,662 milhões no ano passado, montante 9,48% maior que o registrado em 2001. A siderúrgica ocupou a 41ª posição entre as maiores empresas exportadoras no ranking de 2002 elaborado pela Secex. Os países do sudeste asiático, como Cingapura, Taiwan e Malásia, são o principal mercado da Açominas, respondendo por cerca de 25% das exportações da siderúrgica. Já outros países como Coréia e Japão respondem por 10% das vendas externas. A empresa também exporta para os Estados Unidos, Canadá e outros países da América do Sul, Central, África e Europa.A Usiminas ficou no sexto lugar entre as principais exportadoras brasileiras de produtos siderúrgicos em 2002. A empresa vendeu US$ 229,011 milhões ao mercado externo, com crescimento de 40,42%.A Acesita, produtora de aços especiais, foi a sétima maior exportadora do setor e 51ª no ranking geral, com vendas de US$ 192,210 milhões, montante 1,1% maior que o registrado em 2001. A Companhia Siderúrgica Belgo-Mineira ocupou a 8ª posição entre as exportadoras do setor, com vendas de US$ 111,102 milhões ao mercado externo em 2002, com crescimento de 20,83%. No ranking geral da Secex, a empresa aparece como a 92ª maior exportadora do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.