Exportação de açúcar em fevereiro cai 42% na comparação com 2014

Em relação ao mês passado, setor, que perde espaço para outros cultivos, enviou 41% a menos de toneladas para o exterior

Agência Estado

02 de março de 2015 | 15h54

O Brasil exportou em fevereiro 1,044 milhão de toneladas de açúcar bruto e refinado. O volume é 41,2% menor que o 1,777 milhão de toneladas embarcadas em janeiro; e 42% inferior ao 1,800 milhão de toneladas registradas em igual mês de 2014. 

Dados do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC) divulgados nesta segunda-feira, 2, mostram que do total embarcado no mês passado, 811 mil toneladas foram de açúcar demerara e 233,5 mil toneladas, de refinado.

A receita obtida com a exportação total de açúcar em fevereiro último foi de US$ 380,5 milhões, 39,1% menor que a registrada em janeiro (US$ 625,3 milhões) e 45,8% abaixo ante os US$ 702,3 milhões computados em fevereiro de 2014.

No acumulado de 2015, foram exportadas 2,821 milhões de toneladas de açúcar (-28,4%), com receita de US$ 1,005 bilhão (-35,4%). 

Matéria publicada pelo Estado dá mostras de como a cultura está perdendo espaço no Brasil. A cana-de-açúcar está cedendo espaço para outras culturas agrícolas, como soja e amendoim, para florestas e até para condomínios residenciais. Com a crise do setor sucroalcooleiro, usinas e fornecedores de cana da região Centro-Sul do Brasil estão abrindo mão de seus canaviais para investir em atividades que garantam uma renda maior.

O avanço de outros cultivos sobre a cana ainda não é generalizado, mas começa a ganhar espaço em São Paulo, maior Estado produtor da matéria-prima no País, Minas Gerais, e na região Centro-Oeste, o grande "celeiro" da soja, afirmam fornecedores de cana e especialistas do setor. Essa substituição ocorre, principalmente, em regiões onde usinas enfrentam problemas financeiros ou fecharam por falta de capital para manter o negócio.

Tudo o que sabemos sobre:
balança comercial, comercio exterior

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.