Exportação de alimentos argentinos aumenta 23% em 2006

As exportações de alimentos da Argentina para o Mercosul aumentaram 23% em volume e 26% em divisas entre janeiro a novembro de 2006, comparado com igual período de 2005. Segundo informações divulgadas nesta quarta-feira pelo Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentária (Senasa), foram certificadas para vendas externas 7,88 milhões de toneladas de produtos de origem animal e vegetal no valor de US$ 1,89 bilhões para vendas no período mencionado.O principal destino das exportações ao bloco regional continuou sendo o Brasil, para onde o Senasa fiscalizou o envio de 7,04 milhões de toneladas por US$ 1,5 bilhões, mostrando um crescimento de 23% em volume e de 33% em divisas, comparado com o mesmo período de 2005. Os produtos mais exportados ao mercado brasileiro foram: trigo (US$ 80,2 milhões); arroz (US$ 66.1 milhões); pêra (US$ 57 milhões); leite em pó (US$ 49,9 milhões); merluza (US$ 47,6 milhões); malte (US$ 39,2 milhões); alho (US$ 39 milhões) e cebola (US$ 31,4 milhões), entre outros produtos.O segundo destino mais importante para as exportações argentinas foi a Venezuela, com vendas de 247,7 mil toneladas por US$190,2 milhões, o que representou um incremento de 56% em volume e de 34% em divisas, sempre comparando janeiro a novembro de 2006 com igual período de 2005. Os principais produtos exportados à Venezuela foram: leite em pó (US$ 82,8 milhões); óleo de soja (US$38,8 milhões); trigo (US$ 9,2 milhões); carne (US$ 4,6 milhões) e batata (US$3,1 milhões), entre outros produtos.O Uruguai comprou 490,9 mil toneladas de alimentos argentinos por US$ 143 milhões, mostrando um incremento de 23% em volume e uma queda de 3% em divisas. Entre os produtos mais exportados ao mercado uruguaio estão os couros (US$ 30,8 milhões); milho (US$ 16,1 milhões) e açúcar (US$ 11,2 milhões). As vendas ao Paraguai também apresentaram uma queda de 2% em divisas (US$ 65,2 milhões) e de 15% em volume (99,8 mil toneladas). Esse país compra da Argentina: fumo, laranja, leite em pó, madeira de pinho, açúcar, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.