Exportação de carne dá sinais de queda devido à aftosa

A média diária das exportações de carne (frango, bovina e suína) caiu de US$ 46,1 milhões na primeira semana de outubro para US$ 35,4 milhões na segunda semana do mês. Embora a nota técnica divulgada hoje pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior não faça nenhuma análise dos números, a queda já pode ser o início dos reflexos dos embargos às importações de carnes brasileiras, principalmente bovina, anunciados na semana passada por mais de 30 países.As proibições foram anunciadas depois da descoberta de um foco de febre aftosa no Mato Grosso do Sul. Pelos dados do Ministério, as exportações de carne somaram US$ 230,9 milhões na primeira semana de outubro, com cinco dias úteis, enquanto que, na segunda semana, com quatro dias úteis, totalizaram US$ 141,7 milhões.Desde a semana passada, técnicos do Ministério estão realizando um levantamento para avaliar os prejuízos que os embargos podem causar na balança comercial brasileira. Balanço das exportaçõesAinda segundo os dados divulgados hoje, no total, a média diária das exportações apresentou uma queda de 6,3% na segunda semana de outubro (US$ 529,8 milhões) na comparação com a primeira semana do mês (US$ 565,2 milhões) em função da retração nas vendas de semimanufaturados (30,4%) e de básicos (18,7%).As exportações de manufaturados subiram 10,3% no período. Na comparação com outubro de 2004, a média diária das vendas externas cresceu 24,3%, em razão do aumento das três categorias de produtos: básicos (49,4%), semimanufaturados (26,4%) e manufaturados (11,1%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.