bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Exportação e importação podem registrar novos recordes

As exportações e importações poderão registrar novos recordes históricos em agosto, repetindo o desempenho de julho, segundo observam os economistas da Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior (Funcex) em boletim da instituição divulgado nesta quarta-feira.Segundo o boletim, até a terceira semana de agosto, a média diária de exportações ficou em US$ 611,0 milhões, atingindo alta de 23,9% em relação a agosto do ano passado. Já as importações registraram uma média de US$ 387,6 milhões, com crescimento de 15,8% em relação ao mesmo mês do ano passado. "Mantidos estes números até o final do mês, tanto as exportações quanto as importações voltarão a registrar recordes históricos, respectivamente, US$ 14,1 bilhões e US$ 8,9 bilhões", diz a nota. O boletim acrescenta que estes números levariam a um saldo comercial de US$ 5,1 bilhões no mês, o que representaria um crescimento de 40,2% em relação ao mesmo mês do ano passado, atingindo US$ 30,2 bilhões no acumulado no ano e US$ 46,7 bilhões no acumulado em 12 meses. A nota também afirma que as variações de preços "continuam bastante elevadas" no acumulado deste ano em todas as classes de produtos exportados. Segundo o boletim, o crescimento dos preços no acumulado de 2006 foi um pouco maior nos básicos (13,1%) e similar nos semimanufaturados (10,7%) e nos manufaturados (10,3%).De acordo com a Funcex, em todas as classes de produtos os preços foram responsáveis pela maior parte do crescimento do valor exportado nos primeiros sete meses do ano e "o efeito preço também é dominante quando se considera o crescimento em 12 meses".Apesar da alta dos preços, houve queda no índice de rentabilidade das exportações. De acordo com a Funcex, dados os ganhos de "apenas" 1,9% nos preços de exportação em julho em relação a junho, a valorização do câmbio e o aumento de 0,4% nos custos de produção, o Índice de Rentabilidade das exportações registrou em julho queda de -1,1% na comparação com o mês anterior, acumulando ainda assim uma alta de 2,2% em relação a julho de 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.