Exportações argentinas para o Brasil despencam 27%

Segundo o Centro de Estudos Bonaerenses (CEB), as exportações argentinas para o Brasil despencaram 27% nos primeiros oito meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. Desta forma, o Brasil, país para o qual, ao longo dos anos 90, era destinado um terço das vendas totais argentinas para o exterior (e que no ano passado havia caído para 24,5%) agora é o alvo de apenas 19,6% das exportações.Em setembro, segundo o CEB, as vendas argentinas ao mercado brasileiro foram reduzidas em 29,8%. O motivo desta queda, segundo os economistas do CEB, se deve à uma conjunção de fatores, entre eles, a desvalorização do real, que torna os produtos brasileiros mais competitivos diante dos similares argentinos.Além disso, a própria crise brasileira, que causou uma redução do consumo interno do Brasil. De quebra, por causa da crise do setor financeiro, os exportadores argentinos ainda continuam sem poder contar com crédito, o que lhes impossibilita enviar seus produtos ao exterior.Em janeiro deste ano, depois de uma década de conversibilidade econômica, que havia estabelecido uma paridade de um a um entre o peso e o dólar, os exportadores argentinos previam vender mais para o mercado brasileiro. Desde o início do ano, a cotação do dólar passou de 1,00 peso a 3,73 pesos.Mas essa vantagem inicial foi sendo reduzida com o passar dos meses, já que os argentinos não esperavam que o real também se desvalorizaria, acabando desta forma, como os sonhos de poder exportar mais graças à um peso desvalorizado. Atualmente, segundo o CEB, a paridade entre o peso e o real é a mesma existente entre 1997 e 1998.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.